É claro que pessoas das “cavernas” podiam criar arte à luz do fogo

Deparei-me com este artigo(https://phys.org/news/2022-04-prehistoric-people-art-firelight-reveals.html) recentemente e achei fascinante. O artigo menciona que cinquenta pedras foram encontradas na França com entalhes, que foram fabricados à luz do fogo. Eles provavelmente foram feitos com ferramentas de pedra pelo povo de Magdaleniana, convencionalmente datado como supostamente vivendo de 23.000 a 14.000 anos atrás. Agora, embora discordemos fortemente da datação convencional que afirma que essas “pedras foram gravadas com desenhos artísticos há cerca de 15.000 anos” (na realidade, provavelmente apenas cerca de 4.000 a 4.200 anos atrás), essas pedras realmente mostram a engenhosidade e a inteligência dos primeiros povos pós-dilúvio

Os pesquisadores das Universidades de York e Durham, no artigo da revista, notaram padrões de danos causados ​​pelo calor rosa nas bordas de algumas das pedras, fornecendo evidências de que elas foram colocadas próximas ao fogo. Essas lajes planas de pedra (chamadas plaquetas), que podem ser definidas em termos simples como tendo uma superfície lisa e plana o suficiente para suportar a gravação, são consideradas um tipo de arte portátil.

Agora qual é a importância de serem colocadas perto do fogo? Bem, é aí que o génio do homem pós-dilúvio aparece. O principal autor do estudo, Dr. Andy Needham, explica,

Anteriormente, assumiu-se que o dano causado pelo calor visível em algumas plaquetas provavelmente foi causado por acidente, mas experimentos com réplicas de plaquetas mostraram que o dano era mais consistente com o posicionamento proposital perto de um fogo. Nos dias modernos, podemos pensar na arte como sendo criada em uma tela em branco à luz do dia ou com uma fonte de luz fixa; mas agora sabemos que as pessoas de 15.000 anos atrás criavam arte em torno de uma fogueira à noite, com formas e sombras tremeluzentes.

Os pesquisadores também mencionaram que, quando examinaram suas réplicas de plaquetas sob a luz do fogo, notaram que a luz bruxuleante fazia com que algumas das imagens (esculpidas o mais próximo possível dos originais) pareciam estar a mover-se. Uma plaqueta mostrava um grupo de cavalos que pareciam galopar. Eles também observaram que as gravuras nos originais foram colocadas de forma a incorporar a forma do bloco e as rachaduras e ondulações naturais, de modo a maximizar a aparência de movimento. Agora, esta não é a primeira instância de imagens em movimento do Pleistoceno (que chamaríamos de “filmes da Era do Gelo”). A arte rupestre nas cavernas de Lascaux e Chauvet (França) e nas cavernas de Altamira e Atxurra na Espanha foi estudada sob luz real ou simulada de tochas, e os pesquisadores testemunharam os efeitos cinematográficos de bisões galopando, leões agachados (e atacando), cavalos balançando a cauda, assim como muitas outras cenas. Eram pessoas artisticamente talentosas.

Co-autor do estudo, Ph.D. estudante Izzy Wisher do Departamento de Arqueologia da Universidade de Durham, foi citado como tendo dito,

Durante o período magdaleniano as condições eram muito frias e a paisagem mais exposta.Embora as pessoas estivessem bem adaptadas ao frio, vestindo roupas quentes feitas de peles de animais, o fogo era ainda assim muito importante para se aquecer.Nossas descobertas reforçam a teoria de que o brilho quente do fogo o teria tornado o centro da comunidade para reuniões sociais, contando histórias e fazendo arte.

Numa época em que grandes quantidades de tempo e esforço seriam gastos para encontrar comida, água e abrigo, é fascinante pensar que as pessoas ainda encontravam tempo e capacidade para criar arte.Mostra como essas atividades fazem parte do que nos torna humanos há milhares de anos e demonstra a complexidade cognitiva dos povos pré-históricos.

Então, para resumir. . . grupos de pessoas pós-Babel que viviam na Europa durante a era do gelo tiveram uma vida difícil, não podiam cultivar por causa da paisagem glacial e, portanto, tiveram de viver em cavernas e se reunir comunitariamente em torno de fogueiras ou fogos. Mas eles eram altamente inteligentes e podiam criar arte cinematográfica alucinante. É como sempre dissemos, os “antigos” homens das cavernas não eram brutos burros, eles eram tão inteligentes quanto nós. Eles eram descendentes dos três filhos de Noé, forçados a se adaptar às duras condições em que viveram após o dilúvio.

Artigo original por Ken Ham em : https://answersingenesis.org/human-evolution/of-course-cave-people-could-create-art-by-firelight/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: