Crianças — Capazes de Tomar Decisões que Mudam a Vida?

Um título chamativo apareceu recentemente na secção de opinião do Washington Post, “Porque deixamos as crianças comprarem armas de fogo?” (https://www.washingtonpost.com/opinions/2022/05/27/why-kids-can-buy-guns/)– um título chocante destinado a gerar tráfego, sem dúvida. Como você pode imaginar, o artigo é uma resposta aos tiros mortais inimaginavelmente horríveis de dezanove estudantes e dois professores em Uvalde, Texas, e dez pessoas num supermercado em Buffalo, Nova York.

Agora, antes de começar, saiba que esta postagem no blog não é sobre controle de armas ou o que pode ou deve ser feito aqui na América em relação a isso. Essa é uma questão complicada e exige consideração cuidadosa de legisladores e outros. Não estou nem comentando sobre a eficácia do argumento geral do autor de que os EUA deveriam aumentar a idade mínima para a compra de armas. O que eu quero apontar é uma inconsistência gritante na visão de mundo secular de Marcus.

No artigo, a autora, Ruth Marcus, argumenta que nos Estados Unidos permitimos que as crianças comprem “armas mortais” quando seus “córtex pré-frontais, responsável pelo controle dos impulsos, não terminam de se desenvolver até meados dos 20 anos”, perguntando “que sociedade racional permite isso?”.

Mas ela não está a escrever sobre crianças de oito anos comprando armas de fogo. Ela está lamentando que jovens de dezoito anos (dificilmente “crianças”) possam comprar armas de fogo em um momento de suas vidas em que seus cérebros não terminaram de se desenvolver e quando muitos tomam más decisões motivadas por “raiva e agressão”.

Agora, aqui está a inconsistência dentro da visão de mundo secular: vivemos numa nação onde as crianças – crianças reais – podem alterar completamente seu futuro tomando bloqueadores hormonais e hormonas do sexo cruzado para “transição” de um género para outro. Tais decisões são vigorosamente aplaudidas pela maioria dos secularistas e, em muitos casos, ativamente encorajadas. E, no entanto, aqueles que fazem a escolha são muitas vezes crianças muito pequenas, cujos cérebros estão longe de terminar o desenvolvimento.

É uma incoerência flagrante. Para aqueles com essa visão de mundo secular, aparentemente as crianças são sábias e desenvolvidas o suficiente para tomar decisões sobre seu género e sexualidade, muitas vezes sem o conhecimento ou consentimento dos pais, mas os jovens adultos ainda não estão desenvolvidos o suficiente para tomar outras decisões.

Agora, obviamente, Marcus não vai trazer transições de género a um artigo sobre controle de armas, mas realmente vale a pena pegar sua linha de raciocínio e aplicá-la à sexualização de crianças que está em fúria em nossa nação: se, por seu raciocínio, jovens adultos não deveriam ter permissão para comprar armas porque podem fazer escolhas horríveis, porque nossa sociedade está mergulhando as crianças na visão de mundo LGBTQ e fazendo tudo o que podem para incentivar crianças impressionáveis ​​a tomar decisões irreversíveis sobre sua biologia em idades extremamente jovens? Para citar Marcus, “Que sociedade racional permite isso?” (Mas Marcus se manifestaria contra isso? Muito provavelmente não. E ela provavelmente se oporia ao que estamos dizendo neste artigo – mas qualquer objeção seria totalmente inconsistente.)

Marcus não entende o que muitos na nossa cultura não entendem: o problema é a depravação de nossos corações. Nossos corações não são basicamente bons – somos maus e depravados e precisamos desesperadamente de um Salvador. Nossa nação separou a moralidade dos absolutos da Palavra de Deus, ensinou às crianças que são apenas animais e que o certo e o errado são relativos, tirou o significado e o propósito da vida, ensinou-lhes que esta vida é tudo o que existe e destruiu a unidade familiar que Deus designou como a primeira e mais fundamental instituição humana – e então eles se perguntam por que os seres humanos pecaminosos agem de acordo com suas tendências pecaminosas! Realmente é uma questão espiritual. Mas precisamos ser lembrados: “O homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque para ele são loucura, e ele não pode entendê-las porque elas se discernem espiritualmente” (2 Coríntios 2:14).

Embora Marcus perca o quadro geral em seu artigo, ela está certa de que as crianças e, até certo ponto, até mesmo os jovens adultos não são mini-adultos, capazes de toda a responsabilidade e tomada de decisão apropriada que esperamos dos adultos. Eles precisam ser discipulados e treinados nos caminhos do Senhor para que possam distinguir o certo do errado e ter a visão de mundo correta para ver a si mesmos, aos outros e a Deus. “Quando eu era criança, falava como criança, pensava como criança, raciocinava como criança. Quando me tornei homem, abandonei os modos de criança” (1 Coríntios 13:11).

Vivemos num mundo amaldiçoado pelo pecado e devemos lutar com questões difíceis após tragédias, incluindo aquelas causadas por pessoas más agindo em sua depravação. Como a atual conversa nacional gira em torno dos horrores do que aconteceu no Texas, não vamos esquecer que é a cosmovisão bíblica e o evangelho que é a resposta final ao pecado e ao mal (embora certamente outras considerações práticas devam ser ponderadas cuidadosamente) e que, algum dia, todo o mal será destruído e todo mal corrigido.

O Senhor preserva todos os que o amam, mas todos os ímpios ele destruirá. (Salmo 145:20)

Artigo original por Ken Ham em https://answersingenesis.org/culture/children-capable-making-life-altering-decision/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers gostam disto: