A destruição de Sodoma e o julgamento futuro

As razões do julgamento de Deus contra os “grandes pecadores” de Sodoma e como sua destruição aponta para um castigo futuro maior que está por vir.

Os nomes Sodoma e Gomorra são infames pelo julgamento de Deus sobre a maldade das pessoas que viviam nessas cidades (cf. Gênesis 13:13).1 Sodoma é vista como o epítome da maldade e uma expressão da ira de Deus (Jeremias 23:14).

Embora estudiosos críticos, por causa de sua mentalidade naturalista, vejam o relato da destruição de Sodoma apenas como outra lenda ou conto popular, a Bíblia ensina claramente que foi um evento histórico genuíno. Assim como Jesus e o apóstolo Pedro apontaram para o dilúvio como garantia de julgamento futuro, ambos também apontaram para o julgamento de Deus sobre Sodoma pelo fogo como garantia de julgamento futuro:

E, como aconteceu nos dias de Noé, assim será também nos dias do Filho do homem.
Comiam, bebiam, casavam, e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e veio o dilúvio, e os consumiu a todos.
Como também da mesma maneira aconteceu nos dias de Ló: Comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam;
Mas no dia em que Ló saiu de Sodoma choveu do céu fogo e enxofre, e os consumiu a todos.
Assim será no dia em que o Filho do homem se há de manifestar.
Naquele dia, quem estiver no telhado, tendo as suas alfaias em casa, não desça a tomá-las; e, da mesma sorte, o que estiver no campo não volte para trás.
Lembrai-vos da mulher de Ló.


Lucas 17:26-32

E não perdoou ao mundo antigo, mas guardou a Noé, a oitava pessoa, o pregoeiro da justiça, ao trazer o dilúvio sobre o mundo dos ímpios;
E condenou à destruição as cidades de Sodoma e Gomorra, reduzindo-as a cinza, e pondo-as para exemplo aos que vivessem impiamente;
E livrou o justo Ló, enfadado da vida dissoluta dos homens abomináveis
(Porque este justo, habitando entre eles, afligia todos os dias a sua alma justa, por isso via e ouvia sobre as suas obras injustas);
Assim, sabe o Senhor livrar da tentação os piedosos, e reservar os injustos para o dia do juízo, para serem castigados;

2 Pedro 2:5-9

Assim como nos dias anteriores ao dilúvio, Jesus falou dos dias anteriores à destruição de Sodoma como uma época em que as pessoas eram indiferentes e se preocupavam apenas com as coisas desta vida: comer e beber, comprar e vender, plantar e construir. Em outras palavras, as pessoas foram apanhadas com as coisas materiais da vida, o que as levou a não se preocuparem com as coisas de Deus. Então a destruição pelo fogo e enxofre veio rápida e inesperadamente, destruindo todos eles.

Da mesma forma, quando Pedro falou do julgamento que ocorreu em Sodoma e Gomorra, transformando-a em cinzas, foi para prenunciar o futuro julgamento escatológico pelo fogo (cf. 2 Pedro 3:7). Este julgamento eterno final, no entanto, não abrangerá a todos. Assim como Deus preservou Noé e sete outros no julgamento do dilúvio, e Ló no julgamento de Sodoma, ele também poupará os piedosos ao julgar e destruir os ímpios (2 Pedro 2:9).

Dado o significado que tanto o Antigo quanto o Novo Testamento atribuem à destruição de Sodoma como um aviso do julgamento futuro, é importante entender esse evento.

Porque Sodoma foi destruída?

Em Gênesis 13, como Abrão (Abraão) e seu sobrinho Ló se tornaram ricos em rebanhos e manadas, surgem conflitos entre seus pastores, pois a terra não podia mais sustentar todas as suas posses (Gênesis 13:6–7). Abraão, portanto, propõe que ele e Ló se separem, e ele dá a Ló a escolha de toda a terra (Gênesis 13:9). Ló escolheu “todo o vale do Jordão” (Gênesis 13:11) porque era “bem regado em toda parte, como o jardim do Senhor, como a terra do Egito…” (Gênesis 13:10). Abraão se estabeleceu na terra de Canaã, perto dos carvalhos de Manre em Hebron (Gênesis 13:18), mas Ló viajou para o leste e “estabeleceu-se entre as cidades do vale e mudou sua tenda até Sodoma” (Gênesis 13:12).

Embora Ló não estivesse a morar em Sodoma nessa época, não demorou muito para que Ló se mudasse para aquela cidade perversa (Gênesis 14:12). Parece que Ló não influenciou Sodoma, mas Sodoma influenciou Ló. Desde que Ló deixou Abraão até sua vida em Sodoma e sua destruição, pouco mais de 20 anos se passaram.2

Em Gênesis 18, o SENHOR aparece a Abraão e anuncia sua intenção de que Sodoma seja destruída porque seu pecado é “muito grave” (Gênesis 18:20). Os homens de Sodoma foram anteriormente descritos como “perversos e grandes pecadores contra o SENHOR” (Gênesis 13:13). O último termo “perverso” (raʿ) também é usado para descrever o povo na época do dilúvio (Gênesis 6:5, 8:21) e indica que os pecados do povo de Sodoma “mereciam a mesma resposta catastrófica de Deus”. 3 Mas qual foi a maldade de Sodoma?

A principal questão que Gênesis 19 enfoca é o fato de que todos os homens de Sodoma querem “conhecer” (yādaʿ4) os visitantes angelicais: em outras palavras, ter relações sexuais com eles (Gênesis 19:4–5; cf. Gênesis 4:1). Não é de admirar que o pecado de Sodoma tenha sido descrito como “muito grave”, pois os homens de Sodoma tinham “desejos não naturais” (Judas 7) querendo cometer um ato vergonhoso (cf. Romanos 1:26–27).

No entanto, é importante perceber que Sodoma era culpada de muitos outros pecados além da homossexualidade. Na história bíblica posterior, os profetas compararam as injustiças sociais cometidas pelo povo escolhido de Deus, Israel/Judá, ao povo de Sodoma: glutonaria, facilidade próspera, não ajudar os pobres, arrogância, injustiça (Isaías 1:17, 3:9), adultério, mentira e falta de vontade de se arrepender (Jeremias 23:14).

O profeta Ezequiel também aponta que a culpa de Sodoma era: “soberba, fartura de comida e próspera tranquilidade, mas não socorreu os pobres e necessitados. Eles foram arrogantes e fizeram uma abominação diante de mim” (Ezequiel 16:49–50). Embora alguns argumentem que Ezequiel não menciona o comportamento homossexual como um dos pecados de Sodoma, isso ignora o fato de que a palavra hebraica abominação (tôʿēbâ) se refere à imoralidade sexual, especificamente a relação homossexual proscrita em Levítico 18:22; 20:13 (cf. 1 Coríntios 6:9).

No final, Deus julgou Sodoma e Gomorra com justiça não apenas por causa de seu comportamento perverso, mas porque dez pessoas justas não puderam ser encontradas ali (Gênesis 18:23–32). Embora ele tenha morado em Sodoma por pouco mais de 20 anos, parece que o justo Ló (2 Pedro 2:7–8) não teve impacto sobre a cidade de Sodoma.

A destruição de Sodoma

A destruição de Sodoma (c. 2067 aC)5 ocorre em Gênesis 19 depois que Ló, sua esposa6 e duas filhas, com a ajuda dos dois anjos, escapam de Sodoma e fogem para Zoar (Gênesis 19:20–22) .

O sol havia nascido na terra quando Ló chegou a Zoar. Então o SENHOR fez chover sobre Sodoma e Gomorra enxofre e fogo do SENHOR do céu. E subverteu aquelas cidades, e todo o vale, e todos os habitantes das cidades, e o que nascia da terra. (Gênesis 19:23–25)

Moisés usa a linguagem do dilúvio em Gênesis 6–7 para descrever a destruição de Sodoma. Assim como Deus enviou as águas do dilúvio que “choveram” (mamṭîr, Gênesis 7:4) sobre a terra nos dias de Noé, ele “choveu” (himṭîr) enxofre e fogo sobre Sodoma e Gomorra em um dilúvio de fogo. O dilúvio de fogo “destruiu” (šaḥēt) Sodoma, assim como a terra foi destruída pela água na época do dilúvio (ver Gênesis 13:10, 19:29, cf. 6:13, 17).7

Através da chuva de enxofre e fogo, Deus “derrubou” (hăpōk) Sodoma, o vale, todos os habitantes e tudo o que crescia no solo. Tudo foi destruído: foi uma catástrofe total. A tradução grega do Antigo Testamento (LXX) traduz a palavra hebraica hăpōk como katestrephen, que é a fonte da palavra catástrofe. A mesma palavra é usada no Novo Testamento quando Jesus purifica o templo e “derruba [katestrephen] as mesas dos cambistas” (Mateus 21:12).

A descrição do apóstolo Pedro sobre a “extinção” (catástrofe) de Sodoma se encaixa bem com o julgamento da cidade que a transformou em cinzas (ver 2 Pedro 2:6). Depois que Deus derrubou Sodoma, toda a terra foi queimada para que nada crescesse e ninguém voltasse a morar nela (ver Deuteronômio 29:23; Isaías 13:19–20; Jeremias 49:18, 50:40).

Embora Ló seja considerado justo, sua vida é uma lição para os cristãos que se envolvem com as coisas deste mundo. No final, o que atraiu Ló a Sodoma (a bela terra, Gênesis 13:10) foi-se. Lembre-se de que Ló começou sua vida vivendo sob a bênção de seu parente Abraão (Gênesis 12:2–3), mas porque “ele viu” a beleza do vale do Jordão, mudou-se para Sodoma e mais tarde tornou-se residente daquela cidade perversa (Gênesis 13:10–12, 14:12). Ele não apenas “demorou” no dia de sua destruição, escapando apenas pela misericórdia de Deus (Gênesis 19:16), mas também perdeu sua esposa (Gênesis 19:26) e genros (Gênesis 19:14). Não apenas isso, mas a única descendência de Ló (Moabe e Amon) foi o resultado de suas filhas o explorando sexualmente (Gênesis 19:33–36),8 enquanto seus últimos anos foram passados ​​vivendo em uma caverna na montanha como um recluso (Gênesis 19: 30).

“Escrito para nossa instrução”9

Judas usa o julgamento catastrófico que veio sobre Sodoma e Gomorra como um “exemplo” para a punição dos ímpios, que é caracterizada como “fogo eterno” (pyros aiōniou, cf. Mateus 25:46).

[Assim como Sodoma e Gomorra e as cidades vizinhas, que também se entregaram à imoralidade sexual e perseguiram o desejo antinatural, servem de exemplo ao sofrer uma punição de fogo eterno. (Judas 7)

O conhecimento de que há um julgamento futuro deve nos motivar a alertar aqueles que ainda estão em seus pecados de que a única maneira de escapar do julgamento vindouro é confiar no Senhor Jesus Cristo, aquele que levou sobre si mesmo o julgamento dos pecadores para que possamos viver uma vida justa neste presente século mau (cf. 1 Pedro 2:24; Gálatas 1:4).

Artigo original por Simon Turpin em : https://answersingenesis.org/archaeology/destruction-sodom-future-judgment/

Notas de rodapé:

  1. A Bíblia dá maior destaque a Sodoma do que a Gomorra. Gomorra é sempre emparelhada com Sodoma (Gênesis 10:19, 13:10, 14:2, 8, 10, 11, 18:20, 19:24, 28; Deuteronômio 29:23, 32:32; Isaías 1:9, 13:19; Jeremias 23:14, 49:18, 50:40; Amós 4:11; Sofonias 2:9; Mateus 10:15; Romanos 9:29; 2 Pedro 2:6; Judas 1:7), enquanto Sodoma é mencionada sozinha inúmeras vezes (Gênesis 13:12, 13; Isaías 3:9; Lamentações 4;6; Ezequiel 16:46; Mateus 11:23-25; Lucas 11:12, 17:29; Apocalipse 11:8 ).
  2. • Usando as informações cronológicas em Gênesis, é possível calcular os 20 anos. Abraão tinha 75 anos quando deixou Harã (Gênesis 12:4) e tinha 85 anos quando Ismael foi concebido (Gênesis 16:3). Sodoma foi destruída por volta da época da concepção de Isaque, quando Abraão tinha 99 anos (Gênesis 17:1; 21:5).
  3. • Kenneth Mathews, Genesis 11:27-50:26, The New American Commentary (Nashville, TN: B&H Publishing Group, 2005), 137.
  4. • O verbo hebraico yādaʿ é frequentemente usado em sentido sexual (6 dessas vezes estão somente em Gênesis 4:1, 17, 25, 19:8, 24:16, 38:26). É usado em outras partes do Antigo Testamento para descrever a atividade sexual (Números 31:17, 18, 35; Juízes 11:39, 19:22, 25, 21:11; 1 Samuel 1:19; 1 Reis 1:4).
  5. • Como obtemos a data da destruição de Sodoma e Gomorra? O templo de Salomão foi construído em 967 aC, e o êxodo israelita do Egito ocorreu 480 anos antes, em 1446 aC (1 Reis 6:1; cf. Juízes 11:26). Israel peregrinou no Egito por 430 anos (Êxodo 12:40; cf. Atos 13:17-20), e Jacó tinha 130 anos quando entrou no Egito (Gênesis 47:9). Isaque tinha 60 anos quando Jacó nasceu (Gênesis 25:26). Então, com quase um ano de gravidez de Sara com Isaque, a destruição de Sodoma e Gomorra ocorreu por volta de 2067. Para uma defesa dessa data, consulte Simon Turpin, “Biblical Problems with Identificating Tall el-Hammam as Sodom,” Answers Research Journal 14 ( 2021): 45–59. Ou aproximadamente em 1897 aC, de acordo com Ussher, usando uma linha do tempo curta, conforme descrito em James Ussher, The Annals of the World, traduzido por Larry e Marion Pierce (Master Books, Green Forest, AR, 2003), 26.
  6. • A esposa de Ló não conseguiu chegar a Zoar porque desobedeceu ao aviso dos anjos e olhou para Sodoma e foi assim transformada em uma estátua de sal (Gênesis 19:26; cf. Lucas 17:32).
  7. • שַׁחֵ֣ת “destruir”: esta raiz, além de 38:9, é usada em Gênesis apenas para a destruição do dilúvio e dessas cidades.” Gordon Wenham, Genesis 1-15: Word Bible Commentary. Vol. 1 (Waco, Texas: Thomas Nelson, 1987), 297.
  8. • A narrativa aponta duas vezes que Ló “não sabia” que suas filhas o haviam explorado sexualmente (Gênesis 19:33, 35).
  9. • Romanos 15:4

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers gostam disto: