Rastreado/traced: a grande surpresa do DNA humano             

Segredos da Nova Pedra de Roseta

Vários anos atrás, apresentei uma tese audaciosa: que os criacionistas estão a substituir as ideias de Darwin por explicações mais novas e melhores para a origem das espécies.1 Poucos meses após a publicação de Substituindo Darwin, sucessos científicos corroboraram ainda mais essa tese.2 Agora, após ano e meio a avaliar essa reivindicação, atingimos outro marco.

Na questão das origens humanas e da história humana, as ideias criacionistas estão tendo um desempenho ainda melhor do que o esperado. Os criacionistas estão a fazer grandes descobertas científicas. Meu novo livro, Traced: Human DNA’s Big Surprise, descreve uma das maiores e mais novas dessas descobertas – uma que está adicionando não apenas novos capítulos, mas novos volumes à maneira como entendemos nosso passado.

Descrevo sete desses volumes abaixo.

1. A História dos Povos

O que aconteceu com os antigos egípcios? Quando sua civilização caiu nas mãos dos invasores asiáticos e europeus, o que aconteceu com o povo egípcio? Poderíamos fazer perguntas semelhantes a qualquer uma das outras grandes civilizações do mundo: quando Roma caiu nos anos 400 dC, o que aconteceu com o povo romano? Os italianos modernos são seus descendentes? E os antigos persas? Sua linhagem familiar inclui iranianos modernos?

Nos últimos quatro anos, os criacionistas descobriram uma nova Pedra de Roseta da história humana: uma árvore genealógica de geração a geração baseada em DNA para a humanidade global. Esta árvore traça as ascensões e quedas dos povos das grandes civilizações do mundo. Em Traced: Human DNA’s Big Surprise, conduzo o leitor pela história das pessoas de sete das principais civilizações do mundo.

Ao fazê-lo, acabamos por desvendar a história das pessoas de todo o mundo.

2. “Pré-história”

Grandes áreas da existência humana antes da chegada da linguagem escrita a uma área específica foram consignadas à “pré-história”. As Américas antes da chegada de Colombo, a África pré-colonial, o Pacífico pré-colonial e o início do Sudeste Asiático têm seus próprios mistérios.

Conhecemos vários fatos sobre seus modos de vida – práticas religiosas, armas, casas, dietas e tudo que tem a ver com o presente. Mas como esse modo de vida se desenvolveu ao longo de milhares de anos? De quem surgiu?

Avançando para 2018-2019, quando os criacionistas começaram a lançar uma luz sobre a existência da nova Pedra de Roseta da história humana. Esta árvore baseada em DNA revela que a árvore genealógica dos nativos americanos de hoje se separou das árvores genealógicas da Ásia Central pelo menos duas vezes – uma vez nos anos 300 a 600 dC e novamente por volta de 1000 dC. Em outras palavras, os nativos americanos de hoje são descendentes de pelo menos dois grupos de migrantes da Ásia Central: um grupo chegou nos séculos depois de Cristo, outro cerca de um milénio depois de Cristo.

Agora combine essas observações com o registo arqueológico das Américas: as origens maias remontam a 400 aC, e os olmecas vão ainda mais longe – eles deram origem a um berço da civilização. No entanto, não encontramos uma herança genealógica tão antiga entre os nativos americanos modernos. Parece que as pessoas que chegaram nos anos 300 a 600 dC, e novamente por volta de 1000 dC, substituíram quem estava aqui primeiro.

A nova Pedra de Roseta revela que a América pré-colombiana era um lugar dinâmico, com uma história tão dinâmica quanto a da Europa e do resto do mundo.

3. Encontrado: A linhagem genealógica de Abraão e Noé

Graças às genealogias de Génesis 10 e 11, os israelitas podem traçar sua herança até ao próprio Noé por meio do filho de Noé, Sem. Esses capítulos registam um número preciso e específico de gerações desde o dilúvio até Abraão. A árvore baseada no DNA contém uma correspondência quase exata com a estrutura dessa árvore genealógica.

Além disso, todas as nações do mundo traçam sua ancestralidade aos nomes listados em Génesis 10 (ou seja, veja o incidente da Torre de Babel registado em Génesis 11:1–9). Para cerca de metade dos homens em Génesis 10, as Escrituras fornecem comentários explícitos sobre seus destinos. Quanto ao resto, a Escritura é silenciosa, o que por si só é uma pista para seus destinos.3 Para encurtar a história, esses dados bíblicos sobre os destinos das nações também encontram um claro eco na árvore baseada no DNA.

Naturalmente, esses resultados implicam que deveríamos encontrar Noé e seus três filhos na base da árvore baseada no DNA. Nós encontramos.

4. Você guarda segredos do passado

Génesis 10 lista cerca de 70 nomes, e acho que esses 70 nomes representam os 70 grupos etnolinguísticos que se separaram na Torre de Babel (ver Génesis 11:1–9). No entanto, a árvore baseada em DNA não mostra 70 linhagens nas partes mais antigas da árvore. Porque não?

Em suma, o número de ramos em qualquer árvore genealógica corresponde ao tamanho da população em pontos específicos da história de uma família. Isso é verdade para famílias individuais e, se tivéssemos acesso à árvore genealógica de todas as pessoas na Terra, também seria verdade para esta árvore; a árvore genealógica global teria quase oito biliões de ramos.

No momento, informações completas do DNA4 foram adquiridas de apenas dezenas de milhares de pessoas, não biliões. Portanto, a árvore baseada em DNA tem apenas milhares de ramificações no momento. Mas isso mudará à medida que coletarmos mais amostras de DNA de mais pessoas. E à medida que coletamos mais DNA, provavelmente descobriremos mais galhos, não apenas nas pontas da árvore, mas também em suas partes mais profundas – as partes que retratam a história antiga.

5. As “raças” mudaram várias vezes na história da humanidade

A genética básica há muito nos ensina que a mudança de um conjunto de características físicas (comumente chamadas de características “raciais”) para outro pode acontecer em apenas algumas gerações. Em teoria, as “raças” poderiam ter mudado várias vezes na história da humanidade. A árvore baseada em DNA revela que sim.

Por exemplo, alguns escandinavos de pele clara são descendentes de árabes de pele morena que governaram o Oriente Médio na Idade Média. Esses ancestrais árabes eram eles próprios descendentes de núbios de pele escura (ou seja, os antigos sudaneses). E esses núbios de pele escura estavam ligados ao antigo Egito.

Como outro exemplo, alguns africanos subsaarianos de pele escura tinham ancestrais da Ásia Central de pele morena que derrubaram o império romano nos anos 400 dC. E assim por diante os exemplos vão. Sim, você pode ter algumas grandes surpresas em sua própria árvore genealógica – e conexões com civilizações e povos antigos que você nunca imaginou serem possíveis.

6. História e Missões Indígenas

Muitos grupos indígenas têm seus próprios relatos sobre suas origens e história. O que devemos fazer com contos como esses? No mundo académico moderno, muitas narrativas indígenas foram descartadas como fantasiosas ou míticas. A postura fria em relação a essas narrativas está lentamente começando a derreter, mas a negligência generalizada persiste.

Surpreendentemente, a nova Pedra de Roseta está confirmando a veracidade de um número crescente de histórias indígenas. Da história oral dos povos bantu da África subsaariana à origem tradicional (dos israelitas!) dos Pashtuns do Afeganistão ao povo Karen da Birmânia/Mianmar ao relato da migração dos Choctaw da América do Norte, a árvore baseada em DNA se alinha com muitas tradições nativas.

Mas há mais. Como encontramos Noé e seus três filhos na base dessa árvore baseada em DNA, agora temos a capacidade de conectar a história de cada grupo de pessoas na Terra a um desses três filhos e a ancestrais específicos listados em Génesis 10. Agora posso dizer que a maioria dos bantus surgiu da linhagem de Cam, provavelmente por meio de seu filho Cuxe. Os nativos americanos de hoje surgiram de um filho de Joctan, que era tataraneto de Sem. E a lista continua.

Considere a relevância imediata que isso tem para as missões cristãs. Falei com um tradutor da Bíblia aposentado sobre esses resultados, e ele citou as pessoas de pele escura da Nova Guiné como um exemplo especial. Em sua opinião, a árvore baseada em DNA agora poderia permitir que essas pessoas vissem uma conexão muito orgânica com o início de sua história nas Escrituras. Ele também disse que esse tipo de conexão ajudaria no reconhecimento das Escrituras como “não apenas um livro de um homem branco”. Para algumas pessoas, já posso prever onde seus galhos aparecerão.

7. Virando a Mesa no Debate Criação/Evolução

Esta última frase tem mais significado do que parece à primeira vista. Por décadas, os criacionistas têm defendido a Bíblia dos ataques da ciência dominante. No entanto, a comunidade científica dominante exigiu outra coisa:

A ciência da criação não é ciência de forma alguma, nem os cientistas da criação conseguiram chegar a uma única declaração intelectualmente convincente e cientificamente testável sobre o mundo natural.Pelo menos noventa e cinco por cento de todas as suas resmas de livros e panfletos publicados em particular são dedicados a um ataque à ciência convencional.[Criacionistas] não apresentam hipóteses testáveis e não fazem previsões ou observações dignas desse nome.5 [ênfase adicionada]

As características essenciais da ciência são:

(1) É guiado pela lei natural;

(2) Tem que ser explicativo por referência à lei natural;

(3) É testável contra o mundo empírico;

(4) Suas conclusões são provisórias, ou seja, não são necessariamente a palavra final;e

(5) É falsificável.

Ciência da criação...falha em atender a essas características essenciais.6 [ênfase adicionada] A característica mais importante das hipóteses científicas é que elas são testáveis....Os cientistas não podem testar a hipótese de que um Deus onipotente existe, ou que Ele criou qualquer coisa, porque não sabemos que padrões consistentes essas hipóteses podem prever.7 [grifo deles;ênfase em negrito adicionado]

O que os evolucionistas e especialistas legais querem dizer quando insistem que a ciência da criação tem que ser testada e falsificada e que a ciência da criação deve fazer previsões? Considere a ciência de algo menos controverso: a gravidade. Em teoria, a gravidade pode ser testada e refutada – ou falsificada – a qualquer momento. Basta pegar um objeto com a mão e soltá-lo. Ele cai de volta à terra? Isso é o que a gravidade prevê. Se você pegar uma pedra, soltá-la e depois a pedra levitar, temos motivos para questionar a validade da gravidade. Mas esta não é a nossa experiência. Repetidas vezes, a gravidade opera de acordo com as previsões que fluem naturalmente dela. A gravidade é, portanto, uma ideia científica bem estabelecida.

Em contraste, os evolucionistas dizem que a ciência da criação não faz previsões que possam ser testadas e, em teoria, refutadas/falsificadas. Claro, os criacionistas apresentam muitos problemas com a evolução. Mas que previsões essas críticas fazem? Por exemplo, no campo da biologia, como a identificação de uma falha na evolução por seleção natural ajuda a explicar quando, como, onde e de quem surgiram as espécies? De uma perspectiva anti-evolucionária e pró-design, quantas espécies devem se formar este ano? Onde elas devem se formar? Quais espécies específicas formarão novas espécies? Esses são os tipos de previsões que os evolucionistas insistem em ver da comunidade da ciência da criação.

Como mencionei no início deste artigo, essa reclamação popular sobre a ciência da criação sofreu um golpe significativo em outubro de 2017 – quando meu livro Substituindo Darwin foi lançado. No livro, expus inúmeras previsões específicas, testáveis e falsificáveis sobre a origem das espécies. Também expliquei uma previsão muito específica sobre as origens humanas e a genética das origens humanas:

Meu modelo sugere que a história da civilização pode ser lida a partir das diferenças de DNA nuclear [ou seja, o DNA em uma parte específica de nossas células] entre os povos do globo – e em uma escala de tempo consistente com o modelo YEC [criação da Terra jovem ]. As diferenças do cromossomo Y [isto é, diferenças de DNA no DNA herdado do homem] entre os humanos modernos representam, em teoria, o primeiro tipo de assinatura de DNA nuclear da história da civilização.8

Simplificando, se a história dos humanos tem apenas alguns milhares de anos, como a Bíblia indica, isso deve ser bastante óbvio em nosso DNA. Meu novo livro, Traced: Human DNA’s Big Surprise, mostra que os ecos das civilizações estão estampados em todo o nosso DNA.

Em outras palavras, Traced marca o início de uma nova era na ciência da criação. Ele cumpre as previsões criacionistas feitas há vários anos. Ele também contém ainda mais previsões próprias – todo um programa de pesquisa que continua enquanto você lê este artigo, ao qual fiz referência no final da seção anterior. Traced atende ao padrão ouro do que define a ciência, e a pesquisa em Traced excede as demandas que os evolucionistas fizeram aos criacionistas por décadas.

Vou ser mais direto: Traced faz muito pouco para defender a autoridade da Bíblia – porque Traced não joga na defesa. Em vez disso, Traced coloca a autoridade bíblica na ofensa.

Que as principais descobertas científicas dos criacionistas continuem chegando.

Artigo original por Dr. Nathaniel T. Jeanson em : https://answersingenesis.org/human-evolution/origins/traced-human-dnas-big-surprise/

Notas de rodapé:

  1. Nathaniel Jeanson, Replacing Darwin: The New Origin of Species (Green Forest, AR: Master Books, 2017).
  2. Nathaniel Jeanson, “A Bombshell for Replacing Darwin?”, March 1, 2018, https://answersingenesis.org/evidence-against-evolution/bombshell-replacing-darwin/; Nathaniel Jeanson, “A Second Bombshell for Replacing Darwin?” March 9, 2018, https://answersingenesis.org/evidence-against-evolution/second-bombshell-replacing-darwin/.
  3. A lógica é a seguinte: (1) As Escrituras é silenciosa sobre muitas regiões geográficas do globo (ou seja, China, Índia, Nova Guiné, Austrália, Américas, etc.). Sim, as declarações globais das Escrituras se aplicam a essas regiões, mas em termos de menção direta específica, não as encontramos na Bíblia. (2) A Escritura também é omissa sobre o destino de muitos dos homens em Gênesis 10. (3) Portanto, os homens em Gênesis 10 (sobre cujo destino a Escritura é omissa) naturalmente se tornam candidatos a estabelecer essas regiões geográficas (que não recebem menção nas Escrituras). A árvore baseada em DNA corresponde a essas expectativas derivadas das escrituras.
  4. Refiro-me especificamente ao DNA herdado do homem, o cromossomo Y.
  5. N. Eldredge, The Monkey Business: A Scientist Looks at Creationism (New York: Washington Square Press, 1982), 80, 138.
  6. McLean v. Arkansas Board of Education, 1982, https://law.justia.com/cases/federal/district-courts/FSupp/529/1255/2354824/.
  7. D. Futuyma and M. Kirkpatrick, Evolution (Sunderland, MA: Sinauer Associates, 2017), 578.
  8. Jeanson, Replacing Darwin, 229–230.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers gostam disto: