Falando de forma errada sobre o aborto espontâneo

Depois de 6.000 anos de acumulação de doenças e degradação, a maldição de Gênesis 3:16 é particularmente pungente entre os milhões de mulheres que sofreram aborto espontâneo. Estima-se que até uma em cada quatro gravidezes conhecidas termine em aborto espontâneo, com a maioria acontecendo nas primeiras oito semanas.1 E o risco de aborto espontâneo ou anormalidade genética / de desenvolvimento aumenta muito com a idade materna.2

Sofrendo em silêncio

Aqueles que experimentaram isso raramente falam sobre isso, e às vezes, ninguém mais sabe. E muitas vezes existe uma boa razão para isso. Observando muitos outros e tendo experimentado isso mesmo, juntamente com as tristezas da infertilidade, a alegria da adoção e até mesmo a alegria de uma bênção no meu próprio ventre, é claro que muitas vezes há um problema na forma de como vemos a vida em crescimento e as muitas variações de como isso eventualmente se desenrola. Além disso, mesmo amigos bem-intencionados, parentes e profissionais médicos podem piorar a dor dizendo a coisa errada.

Como podemos evitar dizer e pensar as coisas erradas sobre essa questão difícil? Temos de começar com a nossa visão de mundo. O que é essa vida discernível no útero? É uma massa de células, um feto, um embrião, uma forma de vida com ou sem sensibilidade ou capacidade sensorial? Se você é um crente na santidade da vida desde a conceção e em todas as fases da vida, com base em Escrituras como o Salmo 139: 14, Gênesis 1: 26-27, Jeremias 1: 4-5, Levítico 19:32, Lucas 14 : 12-14, Isaías 35: 3-4, deve concluir que todo o humano, ou seja, todo filho abortado, é feito à imagem de Deus e merece respeito e cuidado.

Não importa o quão pequeno

Adicionalmente às dificuldades do aborto espontâneo, continua a existir um estigma sobre a idade da mãe ou a gestação da gravidez que termina em um aborto espontâneo. As mães reportam que outros, tentando ser úteis, dizem coisas como: “Provavelmente teria sido deformado de qualquer maneira”, “Pelo menos ainda não era um bebê”, “É para o melhor”, ou “O bebê provavelmente teria tido síndrome de Down. “Embora, certamente, quanto mais tempo uma mulher estiver grávida, quanto maior o bebê, mais evidente é a perda e maior a tensão física sobre a mãe, isso não aborda a humanidade inerente até mesmo da mais jovem criança perdida. Nem o risco aumentado de aborto devido à idade da mãe ou a uma anormalidade descoberta diminui a humanidade do bebê ou a tristeza quando acontece. Se aqueles amigos que eram corajosos o suficiente para tentar ser úteis (e eu admito, isso é difícil em um assunto tão delicado!) tivessem pensado nas implicações do que eles estão dizendo em relação aos princípios bíblicos adequados (e aos sentimentos dos pais em luto), muitas dessas cenas tristes não precisariam de ter ocorrido. Muitos casais optam por sofrer em silêncio em vez de lidar com comentários de outros que não viram seu filho como totalmente humano ou como defeituoso de alguma forma – ou pior, que são de alguma forma culpados.

Se você conhece um casal experimentando essa tristeza, seja sensível a não diminuir a gravidade de um aborto precoce. No entanto, esses pais, em particular a mulher que pode sofrer desconforto físico por dias em cima da tensão mental, precisam que as pessoas se preocupem o suficiente para dizer ou fazer algo – e isto é bíblico. Pense nos coros de parabéns que a gravidez recém-anunciada traz, e as ofertas de ajuda para novas mães que estão se recuperando do parto. Contudo, Romanos 12:15 diz que devemos “alegrem-se com aqueles que se regozijam, chorem com os que choram”.

Que posso fazer?

Agora que discutimos algumas coisas para não dizer e fazer, o que você pode fazer? Ore por – e com! – seus amigos, envie cartões, ofereça-se para trazer refeições – particularmente durante a fase dolorosa. Lembre-os que o nosso Deus vê (Gênesis 16:13), considera nossas lágrimas preciosas (Salmo 56: 8), e podemos confiar Nele (Provérbios 3: 5) porque Ele é bom (Marcos 10:18). Deixe-os saber que você está sofrendo com eles, e tratam a morte como o inimigo que é (1 Coríntios 15:26) com as garantias de Cristo que conquistou e restaurará um mundo onde não haverá mais tristeza (Apocalipse 21: 4). Com a boa mentalidade bíblica de por que há a morte para começar, sabendo que é nosso dever compartilhar sua tristeza, e reconhecendo a perda de uma criança que tem a própria imagem de Deus, você provavelmente dirá coisas que curam e pode ser para Deus, um instrumento de misericórdia, para aqueles que sofrem.

Quem vos recebe, a mim me recebe e quem me recebe, recebe aquele que me enviou. Quem recebe um profeta, no caráter de profeta, receberá o galardão de profeta; quem recebe um justo, no caráter de justo, receberá o galardão de justo. E quem der a beber, ainda que seja um copo de água fria, a um destes pequeninos, por ser este meu discípulo, em verdade vos digo que de modo algum perderá o seu galardão. (Mateus 10: 40-42)

Palavras graciosas são como um favo de mel, doçura para a alma e saúde para o corpo. (Provérbios 16:24)

 

Artigo original por Frost Smith em https://answersingenesis.org/sanctity-of-life/misspeaking-about-miscarriage/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: