Obedecer a Deus o tornará sábio

Quando nossos filhos eram pequenos, nossos dias consistiam em instruções e rotinas quase constantes.

A hora da soneca vinha depois do almoço. As camas tinham que ser feitas, os dentes escovados e o cabelo penteado antes da escola. Os lanches eram somente na hora do lanche. Oramos e cantamos durante os dias em que coisas acabavam e aprendíamos a largar coisas. Líamos livros antes de dormir e aprendíamos versos pela manhã. Mal consigo pensar num momento em que a instrução não estivesse na minha língua. “Coloca as botas no armário, por favor!” “Os marcadores são para papel, não para as mesas!” “A comida fica no prato!” “Vai lá para fora e anda de bicicleta até ao jantar!”

Nossas regras e rotinas não eram estatutos eternos – muitos deles mudaram ou a necessidade deles expirou – mas elas eram particularmente úteis na temporada de bebés, crianças pequenas e primeiros anos escolares. Como pais, as regras faziam todo o sentido. Eram para o bem de nossos filhos, não para o mal. Não éramos déspotas ditatoriais; em vez disso, colocamos limites para que nossos filhos pudessem florescer.

Leis do Amor

Instruções e limites eram expressões genuínas (e imperfeitas) de nosso amor por eles. Quando exigimos que as crianças façam tarefas, estudem e pratiquem instrumentos, exigimos atividades que os tornem adultos fiéis e sábios. E assim é com Deus.

Os mandamentos de Deus são expressões de amor. Quando Deus tirou seu povo do Egito, por exemplo, Ele deu muitas instruções para eles. Depois de lembrá-los dessas instruções, Moisés disse-lhes:

Vejam, agora eu lhes ensino estes decretos e estatutos conforme me ordenou o Senhor, meu Deus, para que vocês os cumpram na terra em que estão prestes a entrar para tomar posse dela.
Obedeçam-lhes por completo, e assim demonstrarão sabedoria e inteligência às nações vizinhas. Quando elas ouvirem estes decretos, exclamarão: ‘Como é sábio e prudente o povo dessa grande nação!
’. (Deuteronômio 4: 5-6)

A obediência dos israelitas seria sua sabedoria e compreensão. A obediência os distinguiria como sábios no mundo e, com o tempo, os ensinaria sabedoria. E ainda, por todo o deserto, o povo de Deus se recusou a guardar e cumprir seus mandamentos, muitas vezes seguindo seu próprio caminho, porque eles acreditavam que sabiam melhor do que Deus o que era melhor para eles.

Quem sabe mais do que Deus?

Acreditar que somos sábios sem obedecer a Deus é o grande pecado do coração humano. É a essência do orgulho. Quando declaramos que somos mais sábios do que Deus ao julgar e pesar seus mandamentos para ver se eles nos servem, ou para avaliar se pensamos que são sábios ou não, estamos endurecendo o cimento húmido da tolice. Mas quando nós, pela fé, recebemos e obedecemos seus mandamentos, nossos corações e mentes aprendem sabedoria. Suas instruções tornam-se nossa sabedoria e compreensão. Considere a loucura de Eva.

“É claro que vocês não morrerão!”, a serpente respondeu à mulher.
“Deus sabe que, no momento em que comerem do fruto, seus olhos se abrirão e, como Deus, conhecerão o bem e o mal.”
A mulher viu que a árvore era linda e que seu fruto parecia delicioso, e desejou a sabedoria que ele lhe daria. Assim, tomou do fruto e o comeu. Depois, deu ao marido, que estava com ela, e ele também comeu.
Naquele momento, seus olhos se abriram, e eles perceberam que estavam nus. Por isso, costuraram folhas de figueira umas às outras para se cobrirem.


Gênesis 3:4-7

A loucura de Eva foi exercer seu próprio julgamento à parte da obediência a Deus. Ela se encarregou de avaliar a sabedoria ou loucura do governo de Deus. Ela avaliou o fruto da árvore usando sua própria sabedoria: era bom para comer, era um deleite para os olhos e, por ironia, desejava-se para dar sabedoria. Eva, em sua própria sabedoria, buscou o caminho da sabedoria através do fruto proibido, abandonando as instruções de seu Criador – instruções que a teriam levado à verdadeira sabedoria.

Porque eu disse

Se você for como eu, no entanto, pode estar se perguntando: “Se Eva não deve usar seu próprio julgamento para julgar se algo está certo, então qual é a base para ela obedecer a outra pessoa? Você está dizendo que ela deveria ter apenas obedecido cegamente aos outros? ” Não, ela não deveria ter obedecido cegamente aos outros. Com os olhos contemplando seu Criador, ela deveria ter obedecido totalmente ao seu Senhor – Aquele que fez os céus e a terra, Aquele em quem está toda a sabedoria e conhecimento, Aquele que a criou, a conheceu e cuidou dela.

Vemos essa dinâmica num lar cristão piedoso. Quando as crianças recuam contra uma instrução vinda da boca de seu pai ou mãe, dizendo: “Por que eu deveria fazer isso?” a declaração mais verdadeira que um pai amoroso pode responder é: “Porque eu disse isso”. Isso não significa que eles não devam dizer mais nada, ou que os pais sejam perfeitos, ou que cada coisa que um pai exige de seu filho seja tão bom quanto poderia ser. O que isso significa é que os filhos devem obedecer porque a fonte da instrução vem de um pai ou mãe que os ama, é mais velho e mais sábio do que eles e tem o melhor interesse deles em mente.

As crianças não obedecem porque entendem perfeitamente todas as razões por trás dos limites de tempo de tv ou rotinas de hora de dormir – elas obedecem por causa de quem está a exigir. E quanto mais eles aprendem a obedecer aos pais com alegria e confiança, mais elas passam a ver a sabedoria de suas instruções. Assim é connosco com Deus.

Obediência de Fé

A vida cristã é de discernimento sobrenaturalmente substituído. Os cristãos, pela obra do Espírito Santo, reconhecem que, em nós mesmos, não sabemos o que é melhor para nós.

Quando Jesus foi para a cruz, Ele se tornou nosso substituto – Ele foi punido por nossa causa e em nosso lugar. Aquele que não conheceu pecado, tornou-se pecado por nós, “para que nele nos tornemos justiça de Deus” (2 Coríntios 5:21). Mas essa substituição vai além. Por meio da loucura da cruz, Cristo se tornou sabedoria para nós (1 Coríntios 1:30). Ele suportou a loucura da cruz, para que Deus pudesse destruir a sabedoria dos sábios, frustrar o discernimento dos que têm discernimento e nos tornar verdadeiramente sábios em Cristo (1 Coríntios 1:19; 2:16).

Jesus ordena: “Acreditem em Deus; acreditem também em mim”(João 14: 1). Como obedecemos a tal comando? Como inclinamos nosso ouvido para essa instrução? Como fazemos diferente do que Eva fez quando ela decidiu usar seu próprio julgamento no lugar do de Deus? Fazemo-lo pela “obediência que vem da fé” (Romanos 16:26). Deus dá o dom gratuito da fé (João 3: 7–8), a capacidade sobrenatural de crer, e essa fé produz nossa obediência aos seus mandamentos. John Piper fala sobre a obediência da fé,

Esse é o objetivo final do evangelho: o evangelho desperta e fortalece a fé que leva à conformidade com Cristo, que exibe a glória de Deus. . . . Se houver algum grupo de pessoas no planeta Terra onde a fé em Jesus Cristo não está produzindo conformidade com Jesus Cristo, o objetivo de Deus para o evangelho não está completo. (“Comando de Deus”)

A fé verdadeira produz obediência verdadeira, nossa conformidade com Cristo, e então, por meio dessa obediência, crescemos em compreensão e discernimento. Vemos a sabedoria amorosa no que Ele ordenou.

Como a obediência produz sabedoria

A obediência cheia de fé contempla o Doador do Comando em toda a sua justiça, bondade, soberania e poder, e confia que as palavras que saem de sua boca são melhores do que as que vêm da nossa – mesmo que não as entendamos. Por meio dessa obediência cheia de fé, aprendemos a substituir nosso próprio senso doentio das coisas pelo julgamento perfeito, pelas instruções e pela sabedoria de Deus.

Quando eu era criança, meus pais exigiam que limpássemos a cozinha depois do jantar. Se eu começava a reclamar dos trabalhos que precisavam ser feitos, meu pai sempre dizia a mesma coisa: “Você não precisa lavar a louça, Abigail; você pode-o fazer.” “Você não tem que limpar os contadores, Abigail; você pode-o fazer. Não está grata por termos comida para comer e uma cozinha para limpar? ” Então, eu gemia um pouco por dentro e obedecia ao meu pai.

À medida que envelheci e continuei a obedecer (imperfeitamente) e a fazer o que ele exigia, percebi que sua atitude de “poder” em vez de “ter que” se estendia a todas as áreas de sua vida. Nas noites de quinta-feira, ele pagava as contas. Lembro-me de uma noite perguntar se ele desgostava receber tantas contas pelo correio, pois parecia que era a única correspondência que recebíamos. Ele me disse: “Não. Estou muito grato por poder pagar as contas.” Ele disse a mesma coisa ao pagar impostos. E levantar no meio da noite como médico de plantão. E limpando sua bancada de trabalho nos recessos profundos de nosso porão.

Ainda adolescente, meus olhos se abriram para a sabedoria de meus pais exigindo que eu limpasse tudo depois do jantar. Por meio da obediência, aprendi a conhecer a sabedoria de uma atitude “posso” em vez de uma atitude relutante “preciso”. Isso ficou claro não apenas por meio dos próprios comandos, mas por meio do testemunho e da experiência de sabedoria por meio da obediência.

À medida que aumentamos nossa obediência a Deus -onde residem todas as riquezas da sabedoria e do conhecimento – Deus se agrada em aumentar nossa sabedoria e compreensão, para que tudo o que Ele ordena cada vez mais faça sentido para nós. Quando isso acontecer, não só Ele será bonito para nós, mas também todos os seus caminhos.

Artigo original por Abigail Dodds (@abigaildodds) em : https://www.desiringgod.org/articles/obeying-god-will-make-you-wise

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: