É a minha vida cristã apenas um sonho?

Peter Kreeft oferece este comentário perspicaz sobre as Pensees de Pascal: “Podemos facilmente imaginar, pensar, contemplar e ser atraídos pela ideia de entregar todo nosso ser e nossa vida a Deus sem realmente fazer isso, e pensar que o fizemos simplesmente porque nós o imaginamos” (Christianity for Modern Pagans, 234).

A primeira parte – que podemos ser atraídos pela ideia de seguir Jesus inteiramente, sem nunca finalmente fazê-lo – não é nova. Muitos começam uma jornada que nunca termina, brotam por um tempo, apenas para serem sufocados pelos cuidados do mundo e, eventualmente, se afastam de nós porque nunca foram verdadeiramente um de nós (1 João 2:19). Muitos dão muito por um tempo, mas não conseguem se entregar totalmente a Cristo.

Mas Kreeft observa algo mais, algo que aterroriza todos os que o consideram: alguns que se recusam a se entregar totalmente a Cristo morrem sem o perceber. Eles pensam que vivem como discípulos de todo o coração porque eles o imaginaram.

Em outras palavras, eles vivem um sonho religioso, incapazes de ver sua verdadeira condição. Eles se imaginam pegando cruzes, abandonando o pecado, permanecendo em Cristo, acreditando nas promessas, amando a Deus, sendo cheios de seu Espírito e envolvidos no amor eterno de Deus da aliança – mas apenas em suas mentes. Eles constroem e constroem, mas sobre a areia, porque ouviram as palavras de Jesus, mas nunca as obedeceram (Mateus 7: 24-27).

Sonhos construídos sobre a areia

Todos nós conhecemos a fantasia espiritual em algum grau. Quantas vezes confundimos meros pensamentos sobre oração com orações, mero remorso sobre o pecado com arrependimento, meros votos de boa sorte para com o próximo por amor, mero ouvir a palavra com a cumprir, mera imaginação com obediência?

D.A. Carson captura essa fantasia de maneira memorável quando escreve:

Caminhamos em direção ao compromisso e chamamos isso de tolerância; caímos na desobediência e chamamos isso de liberdade; caímos na superstição e chamamos isso de fé. Valorizamos a indisciplina da perda do autocontrole e chamamos isso de relaxamento; caímos na falta de oração e nos iludimos pensando que escapamos do legalismo; escorregamos em direção à impiedade e nos convencemos de que fomos libertados. (Pelo Amor de Deus, volume 2, 23)

Essa irrealidade espiritual nunca é segura. Você está atualmente em um sonho? Os fariseus, os discípulos, as igrejas primitivas e muitos que aguardam o dia do julgamento foram enganados. E nós?

Inimigos Encantados

Muitos dos inimigos de Cristo entre os escribas e fariseus sofreram sob uma ilusão espiritual. Eles não eram conscientemente maus. Eles se asseguraram de que conheciam a Deus. Eles jejuaram. Eles oraram. Eles deram o dízimo até às especiarias. Eles ensinaram e explicaram. Eles até cruzaram os mares para fazer discípulos.

Mas, na realidade, eles fecharam as portas do reino na cara das pessoas. Eles negligenciaram as questões mais importantes da lei. Eles mostraram um exterior limpo, mas permaneceram contaminados por dentro. Eles fizeram discípulos do inferno. E ironia das ironias, eles mataram o Senhor da glória, odiando-O sem motivo.

Em sua ilusão, eles perseguiram a igreja, matando o povo de Deus a serviço de Deus na sua perspetiva. Jesus alertou seus discípulos sobre essas pessoas: “Eles vão expulsar vocês das sinagogas. De fato, está chegando a hora em que todo aquele que vos matar pensará que está prestando um serviço a Deus”(João 16: 2). Eles pensavam que serviam ao Deus do Antigo Testamento, mesmo quando massacraram seu Cristo e suas ovelhas.

Muitos dos que afirmavam com mais sinceridade conhecer o Deus de Abraão e ser os líderes de seu povo viveram num sonho tão tortuoso. E nós?

Delírios de seus discípulos

Os discípulos, mesmo enquanto eram salvos, ainda sofriam de sonhos religiosos. Até no dia da prisão de Jesus, os discípulos, tendo debatido qual seria o maior ao longo do caminho, imaginaram grandes coisas de si mesmos. Naquela fatídica Sexta-Feira Santa, cada um deles, presumiu que estava pronto para morrer por Cristo, apesar da palavra explícita de seu Mestre em contrário:

Vocês todos irão cair por minha causa esta noite.Pois está escrito: ‘Eu ferirei o pastor, e as ovelhas do rebanho serão dispersas... . ’”

Pedro respondeu-lhe: “Embora todos eles caiam por sua causa, eu nunca vou cair”.Jesus disse a ele: “Em verdade, eu te digo, esta mesma noite, antes que o galo cante, você vai me negar três vezes”.Pedro disse-lhe: “Mesmo se eu tiver que morrer com você, eu não vou negar você!”E todos os discípulos disseram o mesmo.(Mateus 26: 31-35)

Pedro falou como o campeão de sua ilusão compartilhada. Aqui, finalmente, eles encontraram uma falha no ensino de seu Senhor: embora Jesus lhes dissesse isso, eles não cairíam, mesmo que tivessem que morrer. Eles se gabavam de uma maturidade imaginária. E cada um teria caído completamente como Judas, se Jesus não os tivesse guardado. Os homens que andaram com Cristo por três anos imaginaram uma fidelidade até a morte que não era real. E nós?

Falsas conclusões de suas primeiras igrejas

A imaginação religiosa não apenas atinge alguns indivíduos fantasiosos, mas pode invadir igrejas inteiras. Várias das primeiras igrejas tiveram sonhos religiosos.

A igreja de Laodicéia tinha uma consideração muito elevada de si mesma. Na verdade, eles encontraram muitas ocasiões para falar de sua autossuficiência. Jesus os cita: “Vocês dizem: Eu sou rico, prosperei e de nada preciso, sem saber que são miseráveis, miseráveis, pobres, cegos e nus” (Apocalipse 3:17). Eles não sabiam sua verdadeira condição. Em sua cegueira espiritual e pobreza, eles se orgulhavam de grandes riquezas.

A igreja reunida em Sardes não apenas se enganou a si mesma, mas a todos ao seu redor. A igreja de Sardes, uma cidade com uma famosa necrópole (cemitério) para reis mortos, tinha “o nome da vida”, mas Jesus quebra o feitiço dizendo: “mas estás morto” (Apocalipse 3: 1). Outros viram vida nessa igreja; Jesus, não. Outros viram florescer; Jesus viu apenas ossos. Eles viram suas obras concluídas, seus braços fortes, seus pés na porta do céu; Jesus viu obras incompletas, uma igreja em estado crítico, com uma luz fraca quase apagada. Apenas alguns não mancharam suas vestes (Apocalipse 3: 4).

Sonhos de ‘Muitos’

Muitos que apenas sonhavam seguir Jesus serão despertados no julgamento.

Naquele dia, muitos me dirão: “Senhor, Senhor, não profetizamos em Teu nome, e não expulsamos demônios em Teu nome, e não fizemos muitas obras poderosas em Teu nome?” E então vou declarar a eles: “Eu nunca os conheci; afastem-se de mim, vós que praticais a iniquidade.” (Mateus 7: 22-23)

Imagine. Cristo vem em sua glória com os exércitos dos anjos. Eles choram e se alegram. Eles vêem os manifestamente ímpios diante deles sendo sentenciados à condenação. Que sorte, eles pensam, que eu não estou destinado a tal destino. Eles não eram pagãos. Eles engendraram os princípios de uma ética cristã e tinham pensamentos positivos em relação a Cristo. Eles foram à igreja, cantaram as canções com uma sinceridade enganada, até fizeram maravilhas e viram outros convertidos.

Mas Cristo não tem o nome deles em seu livro. Ele olha para eles e diz que não os conhece. “Certamente, deve haver um engano”, dizem eles. “Eu não frequentei pequenos grupos, não compartilhei o evangelho com meu vizinho, não dei regularmente para este ministério?” E ainda assim suas palavras caem, mais fatalmente do que um céu cheio de flechas, “Eu nunca te conheci; afastai-vos de mim, obreiros da iniquidade.” Eles imaginaram grandes coisas, disseram grandes coisas, mas viveram como praticantes da iniquidade.

“Muitos” vagam pela vida “como quando o faminto sonha que está comendo, mas ao acordar ainda sente fome. O sedento sonha que está bebendo, mas ao amanhecer ainda sente sede”(Isaías 29: 8). Não podemos? Não podemos também acordar para ouvir Cristo dizer: “Parta”?

Acordando dos sonhos

Alguma verdade reside na declaração: “Como um homem pensa, assim ele é.” Mas também há peso na declaração sobre os crentes professos: “Como o homem faz, assim ele é” – mesmo quando ele pensa o contrário. Ou “pelos seus frutos os conhecereis” (Mateus 7: 16–20).

Novamente, como Jonathan Edwards escreveu claramente: “A piedade consiste não em um coração que pretende fazer a vontade de Deus, mas em um coração que o faz” (Religious Affections, 348). Sentimentos afetuosos, melhores intenções, esperanças e desejos sinceros sobre si mesmo ou inclinações positivas para com Deus e Cristo não evidenciam em si uma novidade de vida. Jesus ensinou: “Se me amais, guardareis os meus mandamentos” (João 14:15).

Você obedece a Cristo? Esta é uma das maneiras de sabermos que o amamos verdadeiramente: “Nisto sabemos que o passamos a conhecê-lo, se guardarmos os seus mandamentos. Quem diz ‘Eu o conheço’, mas não guarda os seus mandamentos, é mentiroso e a verdade não está nele ”(1 João 2: 3-4). Quantos sonhadores foram despertados pela pergunta assombrosa de Jesus: “Por que você me chama de‘ Senhor, Senhor ’e não faz o que eu digo?” (Lucas 6:46).

A vida cristã nos convida a viver, dia a dia, “olhando para Jesus, o fundador e consumador da nossa fé” (Hebreus 12: 2). E que visão Ele é. Nunca houve um amigo mais confiável, nunca um noivo mais maravilhoso. Seu amor carrega a ira por nós, sua bondade encontra nossa traição com palavras de amor, sua benevolência faz corar os mais nobres reis – que razão podemos encontrar para desobedecer a tal Salvador?

Dos muitos olhares que lançamos para este Senhor – Ele é a beleza que amamos ver, a imagem que transforma (2 Coríntios 3:18) – a Escritura também nos manda de volta para olhar para outra criatura confusa: nós mesmos. “Examinem-se para ver se vocês estão na fé. Teste a si mesmo”(2 Coríntios 13: 5).

Todos nós precisamos de um olhar tão regular. Muitos antes de nós vagaram por doces nadas de uma religiosidade vazia até o fim mais terrível. Que você e eu não estejamos entre eles.

Artigo original por Greg Morse em : https://www.desiringgod.org/articles/is-my-christian-life-just-a-dream

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: