Pecados secretos prejudicarão os outros

J.C. Ryle está certo quando observa que o pecado nunca se anuncia a nós com todas as suas intenções. Nunca diz: “Eu sou seu inimigo mortal e quero arruiná-lo para sempre no inferno” (Santidade, 9). Mostra seu prazer, mas esconde sua dor; mostra seu brilho, mas esconde sua morte (Romanos 6:23).

 Mas não é só isso que o pecado deixa de nos revelar no momento da tentação. Também não divulga como planeja prejudicar outras pessoas. Nunca se apresenta: “Eu sou seu inimigo mortal e o inimigo mortal de todos que você conhece. Eu quero arruinar a si e a eles no inferno – e usar seus pecados e os deles como um meio de fazer isso.”

Uma das mentiras mais traiçoeiras que podemos acreditar sobre o pecado, especialmente o pecado que consideramos privado ou secreto, é que podemos guardar suas consequências para nós mesmos. Que seremos os únicos – se houver alguém – afetados. Raramente consideramos como nosso pecado inevitavelmente influencia os outros de uma forma ou de outra.

O pecado nunca fica sozinho

Mesmo quando “pecamos sozinhos” – o que significa que embora o olho sem pálpebras do céu nos veja, nenhum outro ser humano o vê – nosso pecado não permanece sozinho. Ele viaja connosco das sombras para o mundo de nossos relacionamentos. Pecamos como membros de uma comunidade – mesmo quando pecamos sozinhos. Herman Bavinck aponta isso de forma tão enriquecedora ao observar o pecado de nossos primeiros pais:

Adão e Eva pecaram não apenas como indivíduos, como pessoas, mas pecaram também como marido e mulher, como pai e mãe; eles estavam jogando com seu próprio destino, com o destino de sua família e com o destino de toda a raça humana. (A Família Cristã, 10)

Certamente, nosso pecado não traz as mesmas consequências de nosso chefe federal. Seu pecado foi o Original; nosso derivado. Mas é verdade que nós, como Adão, nunca pecamos apenas como humanos isolados, como indivíduos. Nunca brincamos apenas com nossos próprios destinos, completamente separados dos outros. Cada um de nós peca como um humano ligado a outros humanos. Pecamos, tão frequentemente quanto pecamos, como pais, mães, filhas, filhos, vizinhos, colegas de trabalho, cidadãos e, se cristãos, membros do corpo de Cristo.

Ao sugerir que alguns pecados afetam-nos apenas a nós, Satanás retira um pouco da urgência de lutar contra pecados privados de ansiedade, chamas de inveja não descobertas, banquetes ocultos de pornografia nos dizendo que eles ficarão em quarentena connosco. Cada um terá de se deitar em sua própria cama – ninguém mais se deitará nela connosco.

Nisso, Satanás é uma aranha astuta, tecendo uma teia de fios ocultos que prendem aqueles que nunca pretendemos prejudicar. Ele esconde a consequência de como o pecado nos torna impotentes quando um amigo vem até nós em busca de ajuda, de como nos tornamos indiferentes aos nossos filhos porque o medo do homem prende nossa atenção, como o esgoto de imagens lascivas permanece em nossa cabeça, impedindo-nos do amor fraterno em Cristo. O diabo não ousaria nos lembrar dos horríveis efeitos colaterais, incluindo distração, falta de inclinação e dureza de coração, que envenenam nosso amor a Deus e as boas ações para com as pessoas mais próximas de nós.

Loucura Infeciosa.

Como pessoas que cometeram inúmeros pecados, presumo que todos nós sabemos experimentalmente que esse é o caso. Mas vemos esse princípio nas Escrituras? Além de narrativa após narrativa mostrando os pecados de indivíduos que não permaneceram individuais, respire da sabedoria do livro de Provérbios.

O filho sábio alegra a seu pai, mas o filho insensato é uma tristeza para sua mãe” (Provérbios 10: 1). Um homem tolo não é um homem tolo apenas por si mesmo, mas um filho tolo para sua mãe. Quando Judas, um homem mau, traiu o Senhor, ele o fez não apenas como Judas, mas também como “filho de Simão” (João 13: 2, 26).

Ou considere a reviravolta surpresa em Provérbios 10:17: “Quem dá ouvidos à instrução está no caminho da vida, mas aquele que rejeita a repreensão engana os outros.” O pai, a mãe, a filha, o filho que rejeita a repreensão divina não apenas se engana, mas, como uma forte corrente, arrasta os outros com ele. Ele não é obstinado apenas por si mesmo.

Da mesma forma, uma esposa e mãe tola não apenas deteriora seu relacionamento vertical com Cristo, mas leva consigo toda a sua família: “A mais sábia das mulheres edifica a sua casa, mas a loucura com suas próprias mãos a destrói” (Provérbios 14: 1) . Quando plantamos sementes na carne, elas colhem corrupção não apenas em nós, mas em todas as esferas da nossa vida. Envenenar, envenenar – e em sua maioria aqueles que mais amamos.

Contra ti, só contra ti?

Se nosso pecado tem consequências tão terríveis e ocultas para os outros, por que David se arrepende de seus pecados dolorosos e explícitos contra Urias (adultério e assassinato), da forma que faz no Salmo 51?
Contra ti, só contra ti, pequei e fiz o que tu reprovas, de modo que justa é a tua sentença e tens razão em condenar-me. (Salmos 51:4)

Ele pecou apenas contra Deus? David realmente pretendia que a família de Urias cantasse aquelas letras do hinário de Israel, “ Contra ti, só contra ti, pequei e fiz o que tu reprovas “, como se seu amado e fiel Urias não tivesse sido profundamente traído e então assassinado?

David quis dizer que, em comparação com todos os outros, ele pecou somente contra Deus. Sua visão de mundo não era humanitária que colocava as ofensas contra o homem acima das ofensas contra Deus. “Contra o homem, e somente ele, pequei” é o credo moderno. Não, David sabe muito bem que tem o sangue de Urias em suas mãos: “Livra-me da culpa de sangue, ó Deus” (Salmo 51:14). Mas mesmo essa é a principal traição contra seu Criador.

Ele reconhece que seu pecado foi principalmente contra Deus, mas considere a teia de consequências. Quando David pecou, ele o fez como marido, como pai, como filho de Jessé, como irmão e soldado de Urias, como rei de Israel, como homem que influenciaria muitos filhos e filhas, maridos e esposas, cidadãos e almas muito depois de ele ter partido deste mundo. Seu pecado foi contra Deus e somente Deus, mas as consequências desse pecado não ficaram com ele sozinho.

Você nunca obedece sozinho

Os efeitos do pecado, muitas vezes descobrimos tarde demais, são muito mais confusos e muito mais incontroláveis ​​do que imaginamos quando somos tentados. Mas isso nos leva a um contraste impressionante.

Satanás deseja ocultar a influência que a iniquidade tem sobre os outros. Mas ele também esconde a importante influência do que muitas vezes consideramos comuns, atos ocultos de fé, amor e obediência. Ele quer que pensemos que o pecado e a santidade são triviais, ambas névoas que se desvanecem na irrelevância. Nada poderia estar mais longe da verdade.

Você viu isso na sabedoria de Provérbios?

O filho sábio alegra a seu pai, mas o filho insensato é uma tristeza para sua mãe” (Provérbios 10: 1).

A mais sábia das mulheres edifica a sua casa, mas a loucura com as suas próprias mãos a destrói” (Provérbios 14: 1).

O homem sábio não é sábio consigo mesmo, mas é um filho sábio que faz um pai feliz. Uma mulher sábia não pode conter a bênção de sua sabedoria para si mesma; ela constrói toda a sua casa a partir do seu temor, amor e obediência ao seu Senhor. Provérbios e as narrativas nas Escrituras testificam juntos que “todo aquele que dá ouvidos à instrução está no caminho da vida” (Provérbios 10:17) e aquele que aceita a repreensão conduz outros por esse mesmo caminho.

Incalculável é aquela bênção fluindo para os outros das nascentes ocultas da comunhão com Cristo. O homem piedoso, cuja mente e coração meditam nas Escrituras, torna-se a árvore que dá frutos aos outros, cuja própria folha não cairá (Salmo 1).

Só o céu pode detalhar como desligar aquela tela naquele momento, e como um padrão de oração a Deus, afeta milhares de situações e pessoas a seguir. Ligeiras curvas do leme mudam o curso de grandes navios. Quando valorizamos Cristo acima dos prazeres do pecado e acreditamos em suas promessas acima das mentiras de Satanás, inundamos nossas esferas com ondas de bênçãos. Os pecados ocultos, como as boas obras ocultas, “não podem permanecer ocultos” (1 Timóteo 5:25).

Artigo original por Greg Morse em : https://www.desiringgod.org/articles/secret-sins-will-harm-others

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: