A ilusão de dias normais

A vida como de costume, muitos perceberão, nunca foi a vida como de costume.

Quando Cristo voltar, muitos descobrirão tarde demais que viveram dentro de um sonho. Anos vieram e anos se passaram. A primavera se transformou em outono, o outono em inverno. Eles cresceram e envelheceram, mas nunca acordaram. A “vida normal” enganou-os. Então, Jesus prediz,

Como foram os dias de Noé, assim será a vinda do Filho do Homem. Pois, como naqueles dias antes do dilúvio, eles comiam e bebiam, casavam-se e davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca e não souberam disso até que veio o dilúvio e os varreu a todos, assim será a vinda do Filho do Homem. (Mateus 24: 37-39)

O fim do mundo do retorno de Jesus será como o fim do mundo dos dias de Noé. Em que consistiam os dias de Noé? Pessoas ocupadas sem saber – comendo, bebendo, casando-se e dando-se em casamento, levando a vida “como de costume”. Na própria manhã do dilúvio, as pessoas simplesmente se preocupavam com o que quer que fosse colocado diante delas. O imediato parecia mais urgente, mais real. Planear refeições, trocar fraldas, preparar casamentos, trabalhar, comprar e vender – essas pareciam-lhes as maiores verdades da vida. Até que a chuva começou a cair.

A textura dos dias

Como muitos hoje, as pessoas da época de Noé abstraíam o significado da vida a partir da textura de seus dias normais.

Eles tocaram na quarta-feira e parecia apenas mais uma quarta-feira. Eles começaram a trabalhar e terminaram o trabalho. Eles comeram, comeram novamente e terminaram o trabalho de comer. Eles brincaram com crianças no chão. Ocupado com trabalhos de casa e projetos de casa. Eles conversaram e ouviram, riram e bocejaram, acordaram e dormiram – nada de extraordinário. Cada dia não parecia ter um significado eterno. Nada de outro mundo parecia em jogo. Hoje não parecia nada além de hoje.

Deus, demónios, almas, a eternidade não cresceram diante de seus olhos como a erva que precisa ser cortada. Eles não se mexeram para considerar o invisível. E quando o fizeram, a irrealidade parecia tão implausível quanto a chuva afogando uma terra seca a dias de distância do mar. Eles intuíram o que é fundamental na vida a partir das experiências comuns da vida. Um erro fatal. E como nos dias de Noé, assim será a vinda do Filho do Homem.

Homem e Seu Barco

Enquanto eles consideravam seus planeamentos diários, ansiosos sobre o que consideravam o conteúdo real das segundas, terças e sábados, Noé trabalhava com seus filhos no improvável, no impensável. Enquanto o mundo comia e bebia, ele trabalhava. Enquanto continuavam com as coisas normalmente, ele e seus filhos prepararam um barco do tamanho de um estádio para abrigar a família. “Pela fé Noé, sendo advertido por Deus a respeito de eventos ainda não vistos, com temor reverente construiu uma arca para a salvação de sua casa” (Hebreus 11: 7).

Imagine a cena. Década após década, crianças nasceram, fraldas foram trocadas, casas foram construídas, adultos olhavam pela janela e viam o que viam desde a infância: Noé e seus filhos trabalhando no navio. E Noé falou uma mensagem tão estranha quanto o barco que estava construindo: ele alertou sobre o julgamento divino. Talvez alguns tenham ouvido na primeira semana. Mas, eventualmente, os ouvintes precisaram voltar à vida real.

A vida real de Noé era diferente. Embora ele também comesse, bebesse e arranjasse casamentos para seus três filhos (Gênesis 7:13), ele fazia isso com os ouvidos inclinados para ouvir a voz de Deus, um martelo na mão para a obra de Deus e os olhos voltando para o céu esperando pela Promessa de Deus. Seu banquete não foi esquecido. Sua bebida não o distraía. Seu casamento não impediu sua missão. Ao contrário dos cidadãos deste mundo, ele viveu pronto, viveu preparado. Ele acreditava em Deus que as águas viriam.

À medida que as décadas se multiplicavam, Noé continuou trabalhando, continuou proclamando, continuou resistindo à tentação de parar e voltar à vida como de costume.

Mudança no clima

Como será na segunda vinda de Jesus, um dia inesperado chegou.

O dia começou como qualquer outro. Rostos enrugados e olhos envelhecidos olhavam pelas janelas gastas para ainda encontrar aquele homem estranho – agora pastoreando gambás, gansos e veados em seu navio acabado. Eles ainda podiam ouvir sua voz cansada dizendo: “Abandone seus pecados, arrependa-se e clame a Deus. Ele está disposto a poupar você desse julgamento iminente. Este navio se estende por tempo suficiente para todos os que vierem. ”

Talvez tenham sentido pena do velho idiota. As janelas se fecharam e as preocupações do dia consumiram seus pensamentos. Mas naquele dia, Noé e sua família entraram na arca para não serem vistos novamente. “O Senhor o fechou dentro” (Gênesis 7:16), e as janelas do céu se abriram.

Então, qual é o ponto? A questão é que os dias normais, antes e agora, podem não ser o que pensamos. “Dias normais”, sem preocupação com a eternidade, sem preocupação com Deus, pecado e com a segunda vinda de Cristo, são ficções fatais.

Mentira dos dias normais

O que a maioria experimenta como quartas-feiras normais, jantares normais, fins de semana normais, chegam como ondas carregando julgamento e eternidade cada vez mais próxima. O importante sobre esses “últimos dias” é que eles precedem o retorno do rei. Mas a experiência, se permitirmos, nos fará comer, hospedar, beber, contar histórias, rir, assistir ao jogo, namorar, casar e dar em casamento desatentos e despreparados.

Assim foram os dias de Noé. Eles não perceberam que a grande coisa, a coisa verdadeira, a coisa mais relevante residia acima de sua experiência. Um mundo existe em outro lugar; um lugar onde mora a Ultimate Reality (a realidade derradeira). E mesmo agora sua mão agarra a maçaneta. Considere, o que é mais real para você, a lista de tarefas desta semana ou a promessa da volta de Cristo?

A realidade aproxima-se

Quando Ele vier, todos os planos para a próxima semana morrerão. Os livros não serão lidos. Os casamentos serão cancelados. Planos de jantar apagados. Em um momento, os incrédulos ouvirão a porta da arca sendo fechada. A vida se desfará de seu manto comum quando a parede entre os mundos desmoronar.

Jesus chama o mundo para se preparar para Ele: “Você também deve estar pronto, porque o Filho do Homem virá a uma hora que você não espera” (Mateus 24:44).

Preparar-se não é construir um barco no quintal, mas comer e beber, falar e se casar enquanto se olha e espera a vinda prometida de Cristo. Vivemos atentos às almas eternas. Vivemos esperando chuva. Vivemos com temor reverente de Deus. O que o mundo vê você construindo? Existe algo em sua vida que só pode ser explicado por Cristo e seu retorno?

Não se deixe enganar pela textura das semanas e dos anos que passam. Em cada um, a eternidade está em jogo. Em cada um, ele se aproxima. A realidade final não vai ficar fora de vista por muito mais tempo. Felicidade para sempre e horror para sempre estão além das nuvens. Você está pronto para o retorno Dele?

Artigo original por Greg Morse  em https://www.desiringgod.org/articles/the-illusion-of-normal-days

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: