Três maneiras pelas quais os ateus revelam que realmente acreditam em Deus

Os ateus afirmam não acreditar em Deus. No entanto, se alguém cavar fundo, descobrirá que ateus professos não podem realmente escapar do conhecimento de Deus. E isso é encorajador para os cristãos que desejam compartilhar as boas novas com eles. Aqui estão três maneiras pelas quais os ateus não podem escapar do conhecimento de Deus.

  1. O ateu carrega a imagem de Deus

O ateu, como qualquer outro ser humano, é criado à imagem de Deus. Isso significa que ele foi projetado para se relacionar com seu Criador, tem uma sensibilidade moral intrínseca e viverá por toda a eternidade no céu ou no inferno.

Todas as pessoas têm a sensação de que a morte é errada – que não devemos simplesmente deixar de existir. A morte parece errada porque Deus não nos projetou para morrer; morremos por causa do pecado. Todos, em algum momento ou outro, anseiam pela eternidade. Não faria sentido para nós obter esse desejo de um processo evolutivo que exige morte e sofrimento.

Os ateus têm uma variedade de ideias estranhas em que acham que podem permitir que os humanos superem a mortalidade. Desde carregar sua consciência para a nuvem até colocar seus corpos em um congelamento profundo e aguardar o dia em que a tecnologia médica possa revivê-los, alguns ateus tentam pensar em qualquer maneira possível de contornar o fato da morte.

O cristianismo explica de maneira única porque sentimos inaptamente que a morte é errada e porque ela está em toda parte na criação. Mas ainda mais importante, a Bíblia nos diz como viver para sempre com Cristo na ressurreição.

2. O ateu toma emprestado os padrões morais e a lógica de Deus

Para os cristãos, a imagem de Deus dá a cada ser humano um valor intrínseco. Mas os ateus não têm nada que dê valor inerente aos humanos. Se a vida é apenas a maneira da natureza de manter os alimentos frescos, a moralidade universal não faz sentido. A única lei moral é fazer o que for preciso que ajude seus genes a dar o salto para a próxima geração. A monogamia ajuda sua prole a ter um começo melhor, dando aos seus genes um caminho mais estabelecido? A poligamia dá aos seus genes mais hospedeiros na próxima geração? A promiscuidade dá lhe ainda mais chances de reprodução? Trancar sua esposa garante que todos os filhos que ela tenha sejam seus? Não é preciso muita contemplação para ver que uma ética puramente evolucionária seria horrível. Um evolucionista consistente nesta área pertence a uma instituição mental ou prisão!

A maioria dos ateus não sai por aí a matar pessoas – porquê? Muitos ateus zombam da pergunta e afirmam: “Eu não preciso que Deus para ser bom!” Mas sua declaração assume que existe um bem objetivo. O único bem objetivo que existe em um mundo evolucionário é que os mais aptos sobrevivam e se reproduzam. Porque é bom ser fiel à sua esposa? Quem nos deu uma sensação inata de que é errado matar e roubar? Roubo e assassinato podem ser evolutivamente benéficos em certas circunstâncias!

Os ateus também afirmam que a ciência refutou Deus de várias maneiras. Mas a ciência que eles apontam pressupõe um mundo que se comporta consistentemente de acordo com as leis naturais. Porque assumimos que a gravidade funcionava da mesma maneira há 4.000 anos atrás como funciona hoje ou que a gravidade funciona da mesma forma do outro lado da Via Láctea? A uniformidade das leis naturais é tão essencial ao nosso pensamento que é difícil até mesmo fazer a pergunta. Mas é exatamente por isso que o método científico nasceu na Europa, e não na Índia, na China ou no mundo muçulmano, todos intelectualmente avançados em algumas áreas.

Excecionalmente, os cristãos acreditam em um Deus de ordem. O Deus que é o mesmo “ontem, hoje e sempre” (Hebreus 13:8) criou um universo que é acessível à investigação humana porque geralmente se comporta de maneira testável e previsível. Às vezes, Deus age dentro desse sistema de maneiras que não seguem as leis físicas, e chamamos esses atos de milagres – mas os milagres são, por definição, raros.

Quando você vir um ateu tomando emprestado da cosmovisão cristã, aproveite essa oportunidade para apontar como sua cosmovisão não fornece fundamento para o valor humano intrínseco ou para leis naturais uniformes.

3. O ateu odeia Deus

Os ateus geralmente exibem mais do que uma incredulidade “benigna”. Há uma hostilidade aberta aos cristãos e às coisas pertencentes à fé. Não é preciso muito procurar para encontrar literatura e obras de “arte” blasfemas.

O fato de que a descrença de um ateu em Deus às vezes se torna toda a sua identidade mostra que há mais do que uma descrença casual. Quase ninguém hoje acredita que Thor existe, mas não há movimentos anti-Thor. O fato de que essa atitude cáustica é reservada apenas para o Deus da Bíblia é revelador. Há muitas pessoas vivas hoje que acreditam no deus muçulmano, Alá, mas os ateus não são tão estridentes em sua oposição a uma religião que é, em muitos aspetos, muito mais restritiva do que o cristianismo. Quando um ateu começa a reclamar de como ele percebe que Deus foi injusto ou errado do seu ponto de vista, isso é tão ridículo quanto ficar desapontado porque a fada dos dentes não lhe deu dinheiro suficiente debaixo do travesseiro.

Para que não nos sintamos superiores ao ateu que odeia a Deus, devemos lembrar que todos nós fomos inimigos de Deus uma vez (Romanos 5:10; Colossenses 1:21-22), e o ateu que é honesto sobre sua incredulidade está em muitos maneiras preferíveis à pessoa que professa o cristianismo, mas nunca o vive.

Amar os ateus

É compreensível que alguns cristãos vejam os ateus como nossos inimigos. Eles se opõem a nós em praça pública, tentam converter nossos filhos à incredulidade e dizem algumas coisas desagradáveis ​​sobre os cristãos. Mas Jesus disse para amar nossos inimigos e orar por aqueles que nos perseguem (Mateus 5:44) – quanto mais devemos orar e amar os ateus?

Então, o que fazer quando encontramos ateus? Primeiro, devemos obedecer a Jesus e compartilhar as boas novas do evangelho com eles, bem como orar para que Deus opere em seus corações. Podemos abrir nossas casas e construir relacionamentos com eles na esperança de que Deus os alcance através de nós. Devemos falar abertamente sobre nossa fé e tentar ganhá-los. E quando um ateu começa a tentar converter os outros, devemos estar prontos para nos opor e refutar.

Ser usado por Deus para trazer alguém a Cristo é uma sensação incrível, e sabemos que haverá muitos ex-ateus no céu – alguns estão até associados a esse ministério! E isso geralmente ocorre porque um cristão se importou suficiente com eles para se envolver com eles e compartilhar persistentemente o evangelho.

Artigo original por Liz Abrams em: https://answersingenesis.org/world-religions/atheism/ways-atheists-believe-in-god/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: