Pratique vencer suas Distrações

A distração não é derrotada em alguns grandes golpes, mas por muitos, pequenos e habituais. Portanto, não prometo fornecer-lhe em mil palavras uma espada mágica que pode matar o Dragão Medonho da Distração em três ou quatro golpes simples. Eu não descobri tal espada e não acredito que exista.

O que me faz alguma autoridade em distração em primeiro lugar? Não minha especialização em me focar, mas minha especialidade em me distrair. Se minhas observações e autoavaliações forem precisas, estou no lado “acima da média” do espectro de distrações. Eu conheço essa luta  e luto diariamente.

Esperar lutar diariamente é uma mentalidade necessária para a luta ser vencida. Distração não é um simples inimigo; deve ser combatido em várias frentes. A vitória é alcançada não por um golpe glorioso de determinação, mas pela lenta insurgência de desenvolver hábitos que reduzem as distrações.

A velocidade de Deus

No entanto, isso provavelmente requer uma recalibração de expectativa de nossa parte. Nós, filhos da era da alta tecnologia / informação, e netos das idades industriais e de produção, achamos cada vez mais difícil apreciar a velocidade de Deus. Aprendemos a avaliar eficiência em rapidez, quantidade e custo. Produza algo desejável, rápido, escalável e barato, e o resultado será um sucesso. Também aprendemos a valorizar a descartabilidade e desvalorizar a durabilidade.

“A distração não é derrotada em alguns grandes golpes, mas por muitos, pequenos e habituais.”

Mas quando Deus constrói coisas, muitas vezes leva muito tempo (pelo menos da nossa perspetiva) para fazê-lo. E o que Ele constrói, Ele constrói para suportar. Considere como Ele nos projetou. Precisamos de cerca de nove meses desde a conceção até ao ponto em que podemos sobreviver fora do útero. Então, precisamos de aproximadamente duas décadas adicionais antes de adquirirmos maturidade, conhecimento e habilidades suficientes para viver independentemente de nossos pais.

E como é desenvolvida a nossa maturidade, conhecimento e habilidades adquiridas durante essas duas décadas? Através de rigorosa repetição. A memória do músculo e da informação é desenvolvida e sustentada através do árduo processo da prática habitual diária.

O lento milagre, Diário

Contudo, sabemos que Deus às vezes emprega poder miraculoso para provocar mudanças instantâneas na vida das pessoas. Libertações e dons de cura são aspetos muito reais do reino de Deus nesta era. A Bíblia nos ordena a desejá-los e procurá-los com sinceridade (1 Coríntios 12:31). Acredito que, se os desejássemos e os procurássemos mais, eles ocorreriam com mais frequência.

No entanto, todo o testemunho da Escritura e da história redentora nos diz que, mesmo quando são mais frequentes, as transformações miraculosas e instantâneas são sempre excecionais (raras) nesta época, não normativas. A maioria de nossas curas será experimentada através dos processos relativamente lentos com os quais Deus maravilhosamente e sabiamente prepara nossos corpos. E a maioria de nossas libertações será experimentada através dos processos relativamente lentos (às vezes frustrantemente) com os quais Deus maravilhosamente e sabiamente equipa nossas mentes e almas – substituindo respostas habituais de crença em promessas que não são as verdeiras e condenando acusações, com respostas habituais de fé nas verdadeiras promessas e aceitação graciosa de Deus.

“Esperar combater a distração diariamente é uma mentalidade necessária para que a luta seja vencida.”

Nós falamos muito sobre os hábitos da graça aqui no Desiring God, porque as rotinas constroem e moldam o caráter humano, habilidade, afeição e criatividade. As escrituras ensinam e a história reforça que as rotinas habituais de meditação bíblica, oração e comunhão eclesial são os principais meios graciosos de Deus para nossa transformação. Roma não foi construída em um dia. Nem nós somos. Somos construídos de forma lenta, incremental e meticulosa, tijolo a tijolo, dia após dia, ao longo do tempo – à velocidade de Deus.

O que as distrações nos dizem

Deus quer que sejamos libertos do efeito fragmentador da distração infrutífera (Lucas 10:40). Ele quer que nos concentremos no que é mais importante (Lucas 10: 41–42). Mas é muito improvável que recebamos uma solução rápida, porque há mais coisas na distração do que percebemos frequentemente. Na verdade, temos muito a aprender com tudo o que está nos acontecendo quando somos tentados a nos distrair.

Primeiro, as distrações frequentemente nos dizem o que amamos, confiamos e tememos. Nós gravitamos em direção a desejos que desejamos e para longe dos medos que desejamos evitar. Ouça o que suas distrações familiares (habituais) estão dizendo. No que é que você tem buscado a alegria? Em que você está procurando abrigo? O que você está tentando escapar?

As distrações também nos dizem onde formamos maus hábitos mais cedo na vida, aos quais ainda não tratamos adequadamente. Alguns maus hábitos se devem ao crescimento de sistemas familiares falidos, e alguns são hábitos indulgentes que formamos na juventude ou adolescência, pelos quais devemos estar maduros o suficiente para assumir a responsabilidade.

As distrações também podem nos dizer as realidades biológicas com as quais devemos lidar: TDAH, TOC, depressão crônica, transtorno bipolar e outras doenças. Medicação supervisionada por um médico qualificado pode ser de ajuda significativa, mas também precisamos cultivar ativamente novos hábitos para mitigar os efeitos de uma biologia desordenada.

Que estão suas distrações lhe dizendo? Registe conforme você verifica as respostas por duas ou três semanas. Você não vai combater com sucesso até saber o que a está alimentando. Distrações alimentadas por diferentes amores ou medos desordenados, ou biologia, ou simples maus hábitos, requerem diferentes estratégias habituais de batalha.

Treino pela prática constante

Hábitos saudáveis são estratégias. Se as resoluções são nossos objetivos (resultados desejados), os hábitos são nossas estratégias. Ou, para usar uma metáfora diferente, o motor de nossa determinação deve seguir o rumo de nossos hábitos. A resolução só pode ser atingida na medida em que os rastros de hábitos foram estabelecidos.

“As distrações frequentemente nos dizem o que amamos, confiamos e tememos.”

Hebreus 5:14 diz exatamente isso: “mas o alimento sólido é para os adultos, os quais têm, pela prática, as faculdades exercitadas para discernir tanto o bem como o mal.
”. Esse versículo ajuda a definir nossas expectativas. A maturidade espiritual é o objetivo; prática constante é o meio.

Quando joguei futebol no ensino médio, todos os jogadores gostavam dos jogos. Poucos de nós gostávamos dos monótonos exercícios de construção de habilidades. Ninguém que eu conhecesse gostava dos exercícios cansativos de condicionamento. Mas a nossa capacidade de ganhar jogos era em grande parte determinada pela vontade com que nos empenhávamos nos treinos.

A prática constante é a única maneira pela qual qualquer habilidade é cultivada e mantida em qualquer coisa, incluindo a habilidade de distinguir entre foco frutífero e distração infrutífera.

Mas como?

Sim, mas o que fazemos para praticar constantemente resistir à distração? Eu lhe disse anteriormente que não tinha nenhuma artimanha mágica para oferecer. E nem a Bíblia. Você já percebeu que ela raramente nos dá instruções práticas e claras? E porquê?

Uma razão, creio eu, é porque nossos comportamentos são conduzidos por fatores divergentes e complexos e, portanto, as fórmulas são tipicamente de ajuda marginal. O que me ajuda pode não lhe ajudar muito a si.

Mas outra razão é porque o difícil processo de lutar por ambiguidades, resistência interna e confusão faz parte do treino em si. Aprendemos coisas necessárias sobre nossas afeições, fraquezas e corpos. O difícil processo acaba produzindo benefícios de maior fé, sabedoria e perseverança, que vão muito além da questão da distração.

“Em espírito de oração, vise derrotar a distração através da insurgência lenta e constante da construção de novos hábitos”.

Se pedirmos a Deus, Ele nos dará o que precisamos nessa luta (1 Coríntios 10:13; Filipenses 4:19). Mas devemos ter o seguinte em mente: todos os aspetos da luta da fé são uma luta (1 Timóteo 6:12). Precisamos construir resistência (Hebreus 10:36). Precisamos aprender a disciplinar e controlar nossos corpos (1 Coríntios 9:27).

Deus não está apenas preocupado com a maneira mais eficiente de nos libertar da distração. Ele está preocupado com o que produzirá o maior e mais duradouro fruto espiritual em nossa vida. Então, em espírito de oração, busque derrotar a distração através da lenta e constante insurgência de construir novos hábitos, um de cada vez.

Artigo original por Jon Bloom (@Bloom_Jon) em : https://www.desiringgod.org/articles/practice-defeating-your-distractions

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: