O esplendor dos espinhos

Deus teceu até os elementos mais severos da Maldição original em Seu belo plano de redenção final por meio de Cristo.

Consegue imaginar o departamento floral do Wal-Mart oferecendo um buquê de espinhos? O Garden Center alguma vez anuncia arbustos de espinhos de acácia? Os carpinteiros escolhem dois por quatro em madeira de espinho?

Com exceção de nossos amigos botânicos, poucas pessoas acham os espinhos cativantes. Eles não são lindos. E eles não parecem muito úteis, apesar de queimarem muito bem.

As associações negativas de espinhos são o que tornam sua aparência na Bíblia tão intrigante, pois Deus tece esses mesmos espinhos na revelação de Sua graça. Ele dá-lhes um papel de estrela no drama que se desenrola de Seu julgamento e misericórdia inacreditável.

Espinhos e cardos” (uma frase hebraica que se refere a toda a classe de espinhos) não estavam na criação original (Gênesis 3:18). Quando o homem pecou, ​​Deus amaldiçoou o chão com espinhos – um elemento negativo, ofensivo e até repulsivo que se intrometeu na perfeição da criação original.

Todo dedo picado, todo campo coberto de vegetação, todo espinho feio, nos lembra a dor frustrante do pecado e sua mancha hedionda na tela da obra-prima de Deus.

À primeira vista, a perfeição do mundo pré-queda parece perdida para sempre por causa de espinhos feios. Mas Deus teceu esses espinhos em um belo plano.

A sarça Ardente

Os espinhos aparecem a seguir na Bíblia como o arbusto em chamas.

Jesus e Estevão usam uma palavra grega especial para descrever a natureza espinhosa desse arbusto. Estevão descreve a cena em Êxodo com estas palavras: “na chama de uma sarça (arbusto de espinhos) ardente” (Atos 7:30, NASB). Jesus diz a mesma coisa em Lucas 20:37.

Então, por que Deus escolheu aparecer dentro de espinhos nesta montanha terrível, onde mais tarde Ele deu a Lei – uma lei que serve apenas para nos lembrar do nosso fracasso (Gálatas 3: 10–4: 25; Hebreus 12: 18–24)?

Mais tarde, quando Deus visitou a mesma montanha sagrada para dar a Lei, ela tornou-se tão mortal que qualquer humano ou animal que simplesmente tocasse nela seria morto (Êxodo 19:12). Então, porque os espinhos – aquele remanescente combustível da Maldição – não explodiram em chamas quando o Santo, em fogo, apareceu pela primeira vez a Moisés? 2

Todo o evento na sarça ardente é quase uma paródia da Maldição no Éden. Aquele que apareceu no Jardim e pronunciou a maldição dos espinhos agora reaparece no meio dos espinhos, prometendo libertação. Por fim, Ele promete uma terra que flui com leite e mel. Como podem ser essas coisas?

Um Tabernáculo de espinhos

O enigma dos espinhos continua na revelação de Deus. Na próxima vez que encontramos espinhos, Deus instrui Moisés a construir um tabernáculo.

A matéria-prima desse tabernáculo é a madeira de acácia (Êxodo 26:29), uma pequena árvore ou arbusto cujos galhos são cobertos por longos espinhos. Deus então ordena que cubram essa madeira de espinhos com ouro (Êxodo 26:29).

Agora, por que Deus pegaria um elemento amaldiçoado da queda e o embelezaria com ouro? Como os espinhos, adequados apenas para o fogo, se tornam a morada gloriosa do pilar ardente da presença de Deus?

O Campo de Espinhos

O último lugar que Israel acampou antes de entrar na Terra Prometida foi chamado Abel-Shittim, que significa “o Campo de Espinhos” (Números 25: 1; Josué 2: 1). Israel estava morando no Campo dos Espinhos, porque o legislador Moisés não havia obedecido completamente à lei (Deuteronômio 32: 49–51). Ele deve perecer sem entrar na Terra Prometida.

Moisés desobediente só podia olhar de longe, ansiando por aquela terra, implorando em vão a Deus para entrar.

Assim, o povo de Moisés definha no Campo dos Espinhos, ansiando pelo profeta prometido, que era como Moisés, mas melhor – aquele Profeta, Sacerdote e Rei absolutamente perfeito que realizaria todas as coisas que outros homens do pó não conseguiam fazer.

No Antigo Testamento, Deus prenuncia aquele que virá depois de Moisés. Seu nome hebraico é Josué: “O Senhor (Yahweh) salva“. Os gregos traduziriam seu nome como Iesous (Jesus). Deus Pai aponta para essa conexão entre Josué e Jesus quando Ele ordena: ” você lhe dará o nome de Jesus (Iesous), pois ele salvará seu povo dos seus pecados” (Mateus 1:21). Jesus é aquele profeta prometido como Moisés, mas muito mais que um profeta. Ele é o único a liderar o povo de Deus ao paraíso.

Uma coroa improvável

Os espinhos encontram um papel no clímax desse plano divino de redenção. Jesus, torturado em antecipação à crucificação, foi ridicularizado enquanto usava uma coroa de espinhos. Os “espinhos e cardos” da maldição do Éden agora se tornaram essa coroa zombeteira.

Deus primeiro prometeu redenção ao Seu povo quando Ele apareceu no meio de espinhos na Montanha da Lei (Monte Sinai). Para cumprir essa promessa, Jesus apareceu em espinhos novamente, mas desta vez levando a maldição da lei ao Monte Sinai. Ele usava a coroa que conquistamos por nossa rebelião em Adão e pelos anos de ratificação da escolha de Adão, porque pecamos todos os dias.

A beleza dos espinhos é que eles lembram a cada um de nós a generosidade de Deus – quase escandalosa (1 Coríntios 1:23) – a graça sobre nós. Ele morreu por nós, pecadores absolutamente culpados, cujo pecado fez com que esses espinhos estragassem a criação de Deus e a testa de Cristo.

Adão e Eva tentaram usurpar o lugar de Deus como o único legislador em Sião. Deus teria sido justo a enforcá-los em sua árvore de rebelião – como os reis rebeldes de Canaã que foram amaldiçoados por Deus para todo o Israel ver (Josué 10:26).

Mas Deus tinha um plano diferente. Deus, o Filho, saiu da eternidade. Ele tomou carne humana sobre Si mesmo, viveu sob a lei em perfeita obediência e depois sofreu todo o castigo devido a Adão, e todos aqueles que algum dia viriam a Jesus.

Deus, o Filho, usava os espinhos. Em nome da humanidade rebelde, Ele se permitiu ser despido e pendurado naquela árvore, amaldiçoado por Deus. Assim como os reis de Canaã que foram enforcados por Josué, Jesus foi pendurado e depois Seu corpo foi colocado em uma caverna no jardim, com uma pedra sobre a entrada (Josué 10:27)! Mas a morte não pôde segurar Jesus.

Deus pretende nos transformar, os descendentes dos rebeldes no Éden, enredados como estamos em espinhos. Ele nos transformará em um reino de sacerdotes. De fato, somos finalmente um novo templo, o templo celestial, onde o Deus santo, ardente e trino habita para sempre com Seu povo redimido (2 Coríntios 6:16).

A história da Bíblia é essa. Adão nu vai à árvore viva e mata espiritualmente toda a raça humana por um único ato de desobediência. Jesus chega a uma árvore morta e se deixa ser despido. Então, no ato final de obediência – Sua própria morte após uma vida de total e total obediência a Deus – Ele torna vivos todos aqueles que, pela graça de Deus, se arrependem de seus pecados e confiam somente nEle para a salvação.

Como Eva incentivou o marido em sua rebelião contra Deus, o amor de Jesus por Sua noiva, a igreja, motiva e permite que a igreja obedeça a Deus de seu coração. Adão recebeu da sua esposa a comida que mata. Jesus, por Sua morte, fornece toda a graça, permitindo-nos participar da vida eterna.

Por meio de Cristo, os espinhos adquirem um significado totalmente novo porque concentram nossos pensamentos no plano de redenção de Deus, elaborado ao longo dos séculos. Enquanto o pecado de Adão interrompeu a beleza da criação de Deus, o Filho de Deus veio à Terra para consertar as coisas, o que traz beleza até aos espinhos.

Notas de rodapé:

  1. A palavra hebraica sineh e a sua tradução grega batos, ambas, significam “thorn bush (arbusto de espinhos)” (Exodus 3:2).
  2. Deus nos dá uma dica no Pentecostes, quando o Espírito Santo apareceu como línguas de fogo sem consumir os 120 discípulos..

Artigo original por Jud Davis em : https://answersingenesis.org/biology/plants/the-splendor-of-thorns/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: